Lolly POPPERS

Originally posted 2018-10-11 14:39:43.

THE POPPERS, “Up With Lust”, no meu aniversário

LUIS RAIMUNDO - THE POPPERSA sério: jurei a mim próprio que ia beber uma chá e pronto!
Mas não, não me contive e agarrei-me ao teclado tal qual um alcoólico se agarra à garrafa, com desejos de a estafar em menos de nada.
Isto porquê? Para vos falar, escrever será melhor dito, sobre o fim de semana que passou.
Foi um GRANDE fim de semana.
O meu aniversário foi no dia 20! Logo, o plano era: FIESTA! Olé, que eu gosto de estar vivo e comemorar os anos. Não tenho nada que ver com os/as palermas que deixam de fazer anos numa determinada altura: os homens talvez quando começam a perder a tusa e as mulheres a ficarem com as mamas junto dos joelhos! Não sei. Sei que eu faço questão de fazer anos.
Dia 20 THE POPPERS apresentavam o seu “Up With Lust”, no São Jorge, em Lisboa, numa noite que havia de ser de chuva. Choraram os céus de alegria pelo extraordinário concerto que estava para acontecer.
Assim sendo e querendo a malta ir ver e fotografar os POPPERS para depois ir até ao Europa para mais uma festa MOD, havia que traçar outro plano. Nem mais: comemoram-se os anos de 19 para 20, numa pizzaria, no Estoril, que dá pelo nome de DON FORMAGGIO e já está. Pois claro. Bem pensado.
Assim dia 19/20 festa de anos, com convidados e a música que não podia faltar. Abrilhantaram a noite aos que para sempre ficarei grato OS LÁBIOS, projecto musical nascido das cinzas dos THE PROFILERS e o Miguel Ângelo com o Mário Andrade, dos idos DELFINS. Os primeiros cantaram coisas novas e que estão para ver a luz do dia no seu próximo disco que está na forja e os segundos temas dos já saudosos DELFINS. Tudo acústico. Para eles o meu imenso obrigado. As fotos do evento estão AQUI.
Mais ou menos recuperados da noite anterior fomos até ao São Jorge ver e ouvir o garage pop dos THE POPPERS. Uma excelente presença em palco, um som muito bom e canções realmente excepcionais. Sala cheia para ver os quatro dos Olivais. Passeios por entre o público de Raí empunhando a sua Gibson em comunhão com os fiéis. Versão ou cover, como quiserem, de Phsyco Killer dos TALKING HEADS, incomum e com sotaque muito próprio.
À vontade para fotografar com flash sem flash como se quisesse, o que é sempre bom.
Quem pagou bilhete teve direito ao vinil e CD de “Up With Lust”, uma injecção de adrenalina.
Uma chupadela valente nos lolly POPPERS que soube muito bem.
As fotos dos THE POPPERS inauguram o meu novo espaço virtual www.arlindopinto.com AQUI. Disto ainda havemos de falar para ficarem a par do que se passa nos filamentos pensantes do meu cérebro alucinado.
Stay clean!

DAPUNKSPORTIF: guitarras à solta!

Originally posted 2018-10-01 09:26:40.

DAPUNKSPORTIF ENCHERAM MUSICBOX

Sábado, dia 23 de Janeiro do corrente ano de 2010, os DAPUNKSPORTIF, estiveram no Musicbox, ali ao Cais do Sodré, em Lisboa, para um excelente momento de Rock’n’Roll. Ah pois é! Nados em Peniche, têm já no curriculum dois discos de se lhe tirar o chapéu: “Ready!Set!Go!” e “Electro Tube Riot”. Este mais apurado, mais consistente e mais “mainstream”, com um Rock, ritmado, frenético, com passadeira vermelha para as guitarras e um baixo furioso.
Já tive oportunidade de assistir a vários concertos destes “punk desportivos” e é minha opinião, que o concerto de sábado no Musicbox, foi o melhor que já vi/ouvi! Por várias razões, das quais alinhavo aqui estas:
1- O alinhamento dos temas proporcionou uma avalanche de ritmo desvairado até cerca de 2/3 do espectáculo, capaz de fazer dançar um morto. Sobressai o cuidado com que a banda de João Guincho e Paulo Franco urdiu o “set” de modo a agarrar o público “by the balls”, só largando para descansar com uma prodigiosa “cover” de “White Wedding” de Billy Idol, retomando logo a seguir a viagem vertiginosa pelos seus temas mais sonantes;
2- Todos os instrumentos soaram “enxutos” e consistentes, como deve o Rock’n’Roll: um ribombar seco e profundo no peito da audiência. O som esteve na fasquia do irrepreensível, muitíssimo perto do espectacular;
3- A banda tocou afinada, mesmo quando quis descansar e improvisar um pouco, estendendo um ou outro tema para além da sua normal duração;
4- O público encheu o Musicbox e comungou dos mesmos ideais, não direi de vida, os hippies morreram há muito, mas de festa, cerveja e rock, entoando refrães, notando-se que conhece o trabalho dos moços de Peniche.
Bom, chega.
Fui lá fotografar de equipamento emprestado, uma vez que o meu continua no estaleiro. Por falar nisso tenho que ligar lá para a J. Matos, representante da Nikon cá pelo burgo, a alertá-los de que o prazo de reparação foi há muito ultrapassado, mesmo tendo recebido 240 € adiantados. Pois é, “quem paga adiantado é mal servido”! Às vezes o povo tem razão.
Espero que gostem das fotos. Ficam na Galeria dos DAPUNKSPORTIF. Não confundam com as anteriores. Basta estarem atentos à descrição… Eu gosto!
Fica ainda um “mobile vid” de “I’ve been all over town looking for you”, que fiz entre disparos…
Stay heavy!
P.S.: prosa escrita ao som de “Sin”, dos MOTHER SUPERIOR!

I’ve Been All Over Town Looking For you

GAZUA – a união faz a força – R12

Originally posted 2018-09-27 06:47:05.

GAZUA + R12 NO IN LIVE CAFFE, MOITA, 09.05.2009

Na sexta fui a Moita. Mais uma corrida, mais uma viagem! À chegada à terra dos toiros, trazido pela brisa de final de dia, um leve cheiro a estrume! Tudo bem, é a tal terra de touradas.
O destino não era um qualquer circo de feras domesticadas atrás de quem homens e cavalos correm e farpeiam como se não houvesse amanhã, para gáudio dos adeptos do espectáculo tauromáquico.
A rota traçada levava-me ao IN LIVE CAFFE, uma sala onde se comunga da fé no Rock’n’Roll e se chamam as massas a assistir às homilias das bandas que por ali passam.
No cartaz GAZUA e R12. Lisboa e Ribatejo, não em confronto mas em comunhão e solene, que o momento esperava-se alto, cada um pregando à sua maneira a sobredita fé.
Eu sou um crente, um peregrino do rock, já o disse aqui algures, a propósito de um concerto da defunta banda THE DOLL & THE PUPPETS, que teve lugar em Torres Novas, onde os GAZUA tocarão no dia 16, no Teatro Virgínia, local sufocante e onde ao menor movimento se transpira um litro de suor! Coisas de arquitecto.
Bom, mas o que importa é o gig de sexta-feira. Valeu ou não a pena? Vejamos.
A abrir a noite os R12, uns rapazes que além de apanharem batatas, segundo dizem, e porque apanham batatas, são praticantes alucinados de um Punk Agricultor, glória do Ribatejo. Misturam Ska e Punk, e ao ouvi-los vieram-me à ideia os VOODOO GLOW SKULLS, uma vez que além das guitarras têm um moço que sopra, ou bufa como se diz no norte. Bufa num trompete (se não é corrijam-me aqui rapazes, porque, em rigor, só há um instrumento que conheço bem: o meu). Editaram um LP (deixem-me dizer assim, à antiga), BOLETIM AGRÁRIO, o qual teve uma excelente receptividade por parte da crítica, seja lá o que isso for, da especialidade.
Em palco demonstraram o músculo do que tocam. Outra coisa não seria de esperar para quem tanta experiência tem na apanha de tubérculos. Misturando o Punk com o Ska variam entre os tempos rápidos e a distorção da guitarra e instrumentação mais desenvolvida e vozes mais limpas. As letras são, em simultâneo, corrosivas, assumidamente políticas e satiricamente incorrectas. A mistura é explosiva. BUM! Fiquei fã. Não tenho o “BOLETIM AGRÁRIO”, mas aceito doações, que não contam para IRS.
Os GAZUA são um “power trio”, cujos elementos têm já uma grande rodagem no mundo do Rock’n’Roll. Se quiserem dizer que tocam Punk Rock, por mim está bem. É um rótulo. Os GAZUA para lá do som “raw” que produzem juntam à mezinha letras com nítida crítica social, aliás apanágio do Punk, que aludem a ideias que os tempos foram colocando, indevidamente, fora de moda: a união, a construção daquilo em que acreditamos, a luta por melhores condições de vida, a intervenção social que se espera de cada um de nós e não a apatia diária com quem nos cruzamos na rua.
Os riffs de guitarra são bem construídos, soam bem, melódicos e dá vontade de os ouvir repetidamente. Os GAZUA editaram já, à sua conta, CONVOCAÇÃO e MÚSICA PIRATA (aceito doações).
Como não tenho o pirata, estou desde as 10 horas da manhã a ouvir em loop a CONVOCAÇÃO e idolatro o riff inicial do tema Sair da Escuridão, o qual condensa bem o espírito da banda e o seu grito de revolta perante a apatia social do rebanho em que todos nos tornámos. Assim, os seus fãs o entendam e usem a gazua para abrir as portas do conhecimento e do discernimento.
Da noite ficam as fotos. Acedam à Galeria clicando nas fotos aqui do texto.
Ok! Enough!
See ya!

Pop Dell'Arte

POP DELL’ARTE Contra Mundum

Honestidade acima de tudo: nunca fui grande fã dos POP DELL’ARTE! De CORSAGE nem nunca havia ouvido falar. Contudo, algo me chamou ao Musicbox naquela quinta-feira.
Há muitos anos que não via o João Peste. As recordações que tenho do João são as dos convívios universitários entre finais dos 70 e inícios dos 80…

OS LÁBIOS unplugged@Don Formaggio

Há quem saiba ler nos lábios. Agora será necessário saber ouvir Os Lábios. Saber ouvir porque a boa pop é simples e pode passar por fácil. Por vezes o mais difícil de fazer é o que parece mais fácil. É essa a essência e a história da pop. Os Lábios não nasceram já lábios, antes tinham um corpo inteiro chamado The Profilers.