Suicídio

Originally posted 2015-02-04 00:18:26.

suicidio

Suicídio

O desespero e a solidão de
Uma vida
Sem sentido
Apenas cortada nas veias do tumulto de
Um imaginável suicídio com o seu homem
O vidro transparente é o reverso de
Um faduncho na vida que pode terminar a
Qualquer instante… como no filme da tevê gorda capitalista
Arauto da desgraça suprema da raça… meretriz raça humana
Reminiscências infantis de uma memória atualizada
A casa decrépita e as bonecas de trapo em tardes de agosto
Virginal e inevitavelmente casada
Dias de feliz aparência de felicidade “ad eternum”
(mentira, mentira, tudo mentiras)
A hora vai tardia e a cela é intolerável
As pernas inchadas pelo peso do passado
O dorso arqueado ao admirável espectro do futuro
Guinchava ruidosamente sons insuportáveis
(não te suporto, porca, não te suporto, morre, cadela)
E sentiu-se só, frágil como a alma, como o nada, o
Nada do seu homem, olhado com ternura
Morto na fatalidade de ambos serem entes num
Mundo à deriva
Suicídio e pronto

Questionário Benêno

Originally posted 2015-02-04 00:17:39.

benenoEste introito é só para maiores de 18 anos. Largue daqui se não tem essa idade.

Tenho períodos em que grito, outros em que pontapeio. Outros ainda em que não durmo. Também tenho períodos em que odeio. Tenho períodos em que me sinto um carneiro. Tenho alturas em que sei que sou um carneiro, apesar de ser peixes. Por vezes penso que Portugal é composto por um bando de idiotas. Tenho períodos em que me apetece fugir. Tenho tempos calmos, quando me resigno. Tenho alturas em que sou obrigado a ser mercenário. Tenho períodos em que sou contra. Quase nunca sou a favor. Tenho alturas em que estou capaz de matar alguém. Tenho alguém que é capaz de me matar, de gozo! Há alturas em que tenho medo. Tenho períodos em que não tenho dinheiro. Há alturas em que acho que devia emigrar. Há momentos de gloriosa imbecilidade. Há imbecis!  Há sem abrigo. Mas também os há com muito abrigo. Demasiado. Tenho períodos em que me apetece mandar tudo para o caralho. Tenho períodos em que não tenho onde meter o caralho. Há momentos de prazer. Tenho períodos em que me estão a foder, em sentido figurado. Tenho momentos em que tenho pensamentos obscenos. Tenho períodos em que só vejo mortos. Tenho atenção alta! Tenho alturas em que não tenho atenção a nada. Normalmente odeio as noticias. Tenho momentos em que acho que toda a gente devia morrer. Tenho alturas em que quero ir morrer longe. Tenho dias em que faço perguntas. Em que peço ajuda. Ajudem-me, por favor, sou funcionário público e não sei qual é o meu escalão, onde vou ser posicionado, se tenho avaliação, se o SIADAP é bom, se quando morrer ainda tenho que trabalhar, ou os meus filhos por mim,  se vou ter que pagar para trabalhar… Oh meu Deus, porque me abandonaste aqui…

O casal do ano!

Originally posted 2015-02-04 00:12:17.

BEATRIZ + EDUARDO

Ora ele aqui está: o casal do ano. Este belo casal constituido pela BEATRIZ e pelo EDUARDO, foi eleito por mim o casal do ano 2009. Por serem muito jovens e ainda mamarem. Este é um tema que me interessa. Tanto assim que, retirado de http://guiadobebe.uol.com.br, aqui ficam umas dicas sobre amamentação, uma actividade que dá imenso prazer ao bébé e… – ãh… não posso?.. ok! – ao bébé!
Felicidades aos pais.

Preparando os seios: cuidados com a mama
A preparação das mamas deve acontecer ainda durante a gestação. É nessa fase que as mamães de primeira viagem devem começar a aprender tudo o que envolve o aleitamento. “A mãe pode, inclusive, procurar um pediatra durante a gestação para se interar sobre a importância da amamentação, a alimentação do bebê e os cuidados que deve tomar”, orienta a Dra. Maria José Mattar.
Existem algumas técnicas que podem ser usadas para fortalecer o bico do peito e estimular as glândulas mamárias. Tudo para evitar probleminhas na hora da amamentação.
A regra número um é lavar o bico do peito apenas com água. Não utilize sabonete. Eles já têm uma hidratação natural ideal que deve ser preservada.
O banho de sol é um dos melhores procedimentos para preparar os seios. Tome de 10 a 15 minutos de sol no seio todos os dias, antes das 10 da manhã ou depois das 3 da tarde. Dependendo do seu tipo de pele e da intensidade do sol, você pode aumentar ou diminuir um pouco esse tempo. Se não tiver como tomar sol, você poderá utilizar uma lâmpada comum com a mesma finalidade. O calor do sol e da lâmpada deixa a pele mais resistente.
As massagens também são simples de serem feitas e bastante indicadas pelos médicos. Segure o seio com as duas mãos, uma de cada lado, e faça uma pressão da base até o bico, como se fosse uma ordenha. Repita o movimento cinco vezes com delicadeza, mas com energia. Depois, faça o mesmo com uma mão em cima e uma embaixo do seio. Esse procedimento ajuda na “descida” do leite e pode ser repetido uma ou duas vezes por dia.
As mulheres com o bico do seio invertido devem fazer uma massagem específica para estimular a saída do bico para fora. Muitas vezes, durante a gestação ele sai naturalmente, caso isso não ocorra, a gestante deve fazer a seguinte massagem: segure a extremidade do bico com o polegar e o indicador e rode os dedos, como se estivesse aumentando o volume do rádio.

Amamentando: aprendendo a dar de mamar
Todo bebê nasce sabendo mamar. O instinto de se alimentar é tão forte que eles mal acabam de chegar ao mundo e já descobrem como fazer para receber o leite quentinho da mamãe. É ainda na sala de parto que já pode, e deve, acontecer a primeira mamada. Quanto mais cedo, melhor.
“O primeiro contato com a família deve acontecer imediatamente após o parto. É nesse momento que ele pega os anticorpos da mãe, e começa a se preparar para o ambiente onde viverá”. A médica explica que quando o bebê nasce saudável, o médico tira a umidade e coloca o recém-nascido em contato pele a pele com a mãe para haver a colonização dos anticorpos. Esse é o momento da primeira mamada, que geralmente acontece de 20 a 50 minutos após o nascimento.
Não tenha medo e lembre-se de que o corpo da mulher foi feito para amamentar. Tudo dará certo. Ainda no hospital, o ideal é pedir uma mãozinha a uma enfermeira ou outro profissional para levar o bebê ao peito. No início você precisará ajudar o bebê a pegar o bico e ver se ele está sugando corretamente.
O leite materno só “desce” alguns dias depois do nascimento do bebê. Nos primeiros dias a mãe produz o colostro, que é uma substância preciosa, espessa e amarelada, cheia de anticorpos e proteínas, que irá alimentar o bebê nos primeiros dias e funcionar como a sua primeira vacina.
As primeiras tentativas podem não corresponder à expectativa da mãe, mas é normal. A amamentação é um ato natural, mas é uma experiência nova tanto para a mãe como para o bebê.
Nesse comecinho, o bebê pode querer mamar de hora em hora. E os pediatras recomendam que o bebê seja amamentado dia e noite, sempre que tiver vontade. “A princípio, o intervalo das mamadas é de acordo com a demanda do bebê, sempre que ele chorar, o peito pode ser oferecido até que esteja saciado”, orienta a Dra. Sílvia Maria Baliero Nigro. Isso ajuda o bebê a criar um suplemento de leite, perfeitamente adequado às suas necessidades. Dentro de dois a quatro dias, quando o leite materno “descer”, o bebê se ajustará a essa mudança e as mamadas serão mais espaçadas, a cada duas ou três horas.
Ao contrário do que se pensava antes, as mamadas não devem ter horários fixos para acontecer. O bebê sabe quando tem fome e sua vontade deve ser respeitada.
Antigamente os profissionais de saúde orientavam as mães a trocar de peito durante a mamada, oferecendo 15 minutos de cada lado. Hoje, a regra é outra. “O bebê deve sugar o peito até largar espontaneamente. Depois, a mãe pode oferecer o outro peito”, ensina a pediatra Keiko Teruya. “Vimos que não é bom oferecer apenas 15 minutos de cada lado porque a criança só mama o leite anterior, que não é gorduroso e rico como o leite final”.