De Capitão a Major, numa noite!

Originally posted 2015-02-04 00:13:03.

CAPITÃO FANTASMA + THE LEVITIES + THE RACOONS

arlindo-pinto-capitao-fantasmaNo passado dia 14 de Novembro, no Man’s Ruin, em Cacilhas, foi dia de PUNKABILLY (sim inventei agora mesmo este termo). Mas, citando Brian Stezer, ex-STRAY CATS, há muito tempo a solo com a sua orquestra (desde 1992) que encanta os “japs” e mistura rock ‘n’ roll, jump blues, rockabilly e swing:

“There’s neo rockabilly
there’s pysco-rockabilly
there’s starbucks orange country rockabilly
there’s euro-ja-ja-wir-machen-rockin rockabilly
influenced rockabilly
there’s australian-shrimp-on-the-barbie-carry-your-surfboard-to-sears-to-buy-your-rolled-up-levi’s rockabilly
there’s rock-a-johnny rocka-a-sally rock-a-hillbilly
its all so stupid and its just plain silly”

Portanto, eu posso dizer que a noite era de PUNKABILLY (é mesmo só mais uma etiqueta), uma vez que alguns misturam tudo para dar à sopa um saber agradável. A noite era dos THE CREEPSHOW, que por razões que se ignoram, no dia do espectáculo não se dignaram a pisar o palco do MAN’S RUIN e deram às de Vila Diogo onde quer que estivessem para lugar incerto… À pressa lá teve o Emanuel que ir buscar uns rapazes que até se portaram bem. Disseram que tocavam Punk e que se chamavam THE LEVITIES, e é tudo verdade, palavra de escuteiro, apesar de eu achar que deviam ter um elemento só dedicado às vozes, muito mais maluco que o guitarrista que faz o serviço. Sempre dava outro movimento à coisa. Têm uma guitarrista, o que é engraçado, mas à excepção do baixista, todos se mexem pouquinho, apesar de soarem bem. Pronto já disse: arranjem um vocalista e mexam-se em palco, porque o resto já têm!

Contudo, a noite começou, com THE RACOONS, outra banda nacional que, por sinal, tem nome idêntico a outra do Canadá e tem um som baseado no Blues/Rock e são fãs de ELVIS e THE RAMONES. Por mim está bem, apesar de achar que ainda não comeram muito pão duro e que, por isso, soaram um pouco moles! Contudo, tiveram ainda “the balls” para entoarem: R.A.M.O.N.E.S., dos nossos amigos MOTORHEAD (Lemmy is God!”) com micro a +/- 30 graus e tudo!

A noite acabou, como não devia, mas acabou muito bem. Não estavam os THE CREEPSHOW, pelo que coube aos CAPITÃO FANTASMA encerrar a noite com uma lista de hits do Rockabilly nacional, desde, King Machado, até Lisboa em Chamas, passando por Cruela e tudo o mais que a malta adora ouvir e cantar, empurrando-se sofregamente junto ao palco. Os CAPITÃO deviam ter sido promovidos nessa noite a MAJORES, pelo menos. Deram um espectáculo e tanto… muito bom mesmo. Todos se divertiram, dançando, bebendo, e alguns quase que se esmurrando. Daí a merecida promoção. Não consta que os tivessem promovido. Mas, com os poderes de que me encontro investido neste momento, 2:34 da manhã do Domingo, em que vou fotografar mais uma edição da MARCH OF METAL FEST, promovo os CAPITÃO FANTASMA a MAJOR FANTASMA.
E, por agora é tudo, que eu não tempo para estas cenas!
Vão mas é ler livros e assim…

De Capitão a Major, numa noite!

Punk(ada?) Rock no Lotús Bar

Originally posted 2009-08-07 15:59:27.

ENFRASCADOS + DALAI-LUME + DECRETO 77 + DWARVES

ENFRASCADOS (12)No dia 24 de Março, teve lugar no Lótus Bar em Cascais, mais um concerto demonstrativo de, que, efectivamente, 31 anos depois, o punk não morreu! Do cartaz constavam três bandas portuguesas: Enfrascados, Dalai Lume e Decreto 77. A cereja no topo do bolo era constituída pelos norte-americanos Dwarves que, depois de terem actuado em Coimbra, vieram mais a sul demonstrar a sua vitalidade e confirmar que o “Punk is not Dead”, apesar de no seu registo, datado de 2004, proclamarem que “The Dwarves Must Die”. Depois de quase 22 anos de carreira, foi a primeira vez que os “Dwarves” pisaram solo nacional e logo com uma actuação que, por certo, lhes ficará na memória.
Bom, comecemos pelo princípio, como é da praxe!
Os moços “Enfrascados” abriram a noite e, apesar de estarem no bom caminho, fiquei com a ideia de que, além de não terem feito jus ao nome, porque não estavam efectivamente, “enfrascados”, ainda têm um longo caminho a percorrer, no sentido de apurarem a sua sonoridade, apesar dos quatro rapazes de Cascais terem todos os ingredientes para singrar no meio punk nacional: atitude e vontade! Sendo filhos de Cascais e apesar do recinto estar ainda muito vazio à hora a que começaram a actuar, cerca das 22.30, sempre se foram ouvindo alguns fãs fazer coro com a banda. No final e após uns rápidos sete temas, saldou-se a sua prestação por um aceitável aquecimento, para o que havia de vir depois deste bons aprendizes de feiticeiro.
Formados em 2006, os “Dalai Lume”, têm rodado insistentemente no circuito dos concertos, o que constitui uma experiencia que lhes permite apresentar um som mais apurado e consistente, com letras corrosivas, “anti-sistema”, com uma acérrima critica social, como em “As moscas mudam” ou “Portugal”. Têm uma abnegada legião de fãs que não se coibiu de os apoiar durante a sua actuação, ao mesmo tempo que auxiliava Zorb nos refrães. 2008 poderá vir a ser um ano decisivo para os “Dalai Lume” se afirmarem definitivamente, como uma das cenas maiores no panorama do punk rock nacional.
Após um pequeno interlúdio para recompor o palco, aparecem os “Decreto 77”. Andam nesta vida de punk roqueiros desde 2003 e constituíram mais um dos ideais aperitivos que abriram as portas aos “Dwarves”, para uma noite suada e regada a preceito. A história dos “Decreto 77” está repleta de incidentes e até de um pouco de infortúnio. Não obstante, têm tido a oportunidade de tocar com bandas de várias tendências, desde o punk ao Ska passando pelo Metal. 2008 poderá também ser um ano decisivo, no sentido de incrementarem o seu exército de seguidores e cantarem mais alto a sua paixão pela liberdade e pelos princípios que advogam. Têm vindo a editar os seus temas em split-cd e o seu som é o que mais se aproxima de uma banda a quem apenas falta a sorte lançar o seu primeiro longa duração (como se dizia antigamente) em nome próprio, o que, aliás, penso que já merecem.
Depois dos cerca de 30 minutos em palco, os “Decreto 77”, fizeram as malas e juntaram-se ao público que enchia já o Lótus, aguardando que o palanque fosse colocado em ordem para receber os esperados “Dwarves”. Estes já quarentões apareceram enquanto teenagers como band punk, em Chicago, sob o nome de “The Suburban Nightmare” na segunda metade dos anos oitenta. Foram sendo conhecidos pelos seus temas, simples, ruidosos, e no entanto, repletos de nuances, tendo nos seus últimos trabalhos feito uma aproximação ao pop-funk, em detrimento do punk/hardcore original.
Umas das características das suas apresentações ao vivo é a já sua lendária agressividade em palco, protagonizando escaramuças (algumas violentas) com a audiência e até mesmo com a policia. A questão que todos se colocavam era: “Vai haver porrada?” Eu perguntava-me se “He Who Cannot Be Named” apareceria envergando a sua tanga ou todo nú! Este e Blag Dahlia têm sido ao longo dos tempos o núcleo duro do grupo que se apresentou em Cascais.
Palco devidamente arrumado, surgiu de tanga “He Who Cannot Be Named”, seguido dos restantes membros da banda que iniciaram desde logo as hostilidades. Empurrão daqui, empurrão dali, copo a mais, copo a menos, muito contacto físico entre a banda e a audiência e, a meio do segundo tema, já “He Who Cannot Be Named” tinha sido projectado para cima da bateria de Gregory Pecker!!! Quedaram-se mudos os instrumentos, ouvem-se alto os gritos e ameaças e a banda saiu do palco, coberto de cerveja! A pronta intervenção da organização ajudou a acalmar os espíritos mais inquietos e nervosos, até que depois das habituais cenas de dois ou três a agarrarem um mais furioso, as coisas acalmaram e a banda regressou, com Blag gritando: “Yeah, Rock’n’Roll”. A partir dali foi um desfilar de temas a grande velocidade, em que sempre esteve presente uma enérgica interacção entre o público e a banda, mas sem extremismos!
A actuação terminou quando “He Who Cannot Be Named”, que aqui vêem na foto à esquerda, se atirou deliberadamente para cima da bateria!!!
Para muitos ver os “Dwarves” ao vivo foi por certo o concretizar de um sonho. Para mim foi uma noite divertidíssima, repleta de energia, demonstrativa de que o punk está aí para durar.

Discografia “Dwarves”
Horror Stories LP (Voxx Records, 1986, VXS 200.037)
Toolin’ For A Warm Teabag LP (Nasty Gash Records, 1988, NG 001)
Blood Guts & Pussy LP (Sub Pop, 1990, SP 67)
Lucifer’s Crank 7″ EP (Rough Trade No.6 (Karbon), 1991, KAR 13/7)
Thank Heaven For Little Girls LP (Sub Pop, 1991, SP 126)
Sugarfix LP (Sub Pop, 1993, SP 197)
The Dwarves Are Young and Good Looking LP (Theologian Records, 1997, T53)
Free Cocaine DLP (Recess Records, 1999, RECESS #51) (singles)
Lick It DLP (Recess Records, 1999, RECESS #52)
The Dwarves Come Clean LP (Epitaph Records, 2000, 86575 1)
How To Win Friends And Influence People (Reptilian Records, 2001, REP 068)
The Dwarves Must Die (2004)
Fuck You Up And Get Live DVD (2004)
Greedy Boot 1 (2005) – só disponivel no site
FEFU DVD (2006)

Texto e Fotos: Arlindo Pinto
Fonte: www.hardheavy.com