They Where Punks Before You!

Originally posted 2018-11-17 09:50:15.

the_tubesEm finais dos anos setenta a vida era bela! Frequentava o Liceu de Oeiras. Éramos mal-comportados, uma espécie de “bad boys” odiados pelos “marrões” e alguns professores, que não entendiam o nosso comportamento (vá-se lá saber porquê). Para nós não era demais, jogar à bola na aula, expulsar os professores da sala, dizer palavrões, fumar charros, atirar os baldes da limpeza pela janela, enquanto a professora estava rodeada pela malta que estudava, encher o liceu de ovos podres no Carnaval, obrigar o Conselho Directivo a chamar a polícia de choque, faltar às aulas para tomar banho em cuecas na praia do Motel de Oeiras, etc… Tudo actividades pacíficas…
Mas a prosa não vem a propósito disso… apenas. Nos finais dos anos setenta a malta sentia-se viva, cheia de genica, sem se preocupar com o futuro. Trocávamos discos que demorávamos a devolver. Tocávamo-los até os saber de cor.
Não se sabe porquê, mas no final dos anos setenta viram a, luz do dia vários LP que haveriam de ficar nos anais da história do Rock’n’Roll, tornando-se alguns em marcos importantes na carreira das bandas. Editaram, duplos ao vivo, os RAMONES (IT’S ALIVE), os ROLLING STONES (LOVE YOU LIVE), PETER FRAMPTON (FRAMPTON COMES ALIVE), THE TUBES (LIVE), só para falar em alguns.
Os TUBES não passavam de ilustres desconhecidos por cá, à data da saída da bomba ao vivo: sexo, rock, politica, violência, condimentos suficientes para tornarem o disco um ícone. Uma mistura de space rock, punk rock, rock fm e sei lá que mais, vestidos e encenados a preceito. Além do mais o disco contém a melhor versão de SAW HER STANDING THERE dos fab four, BEATLES, bem assim, como uma lasciva DONT TOUCH ME THERE (vocês sabem onde).
Além do mais tem uma capa dupla soberba, com um interior repleto de fotografias muito boas. Houve quem dissesse que os TUBES nasceram para criar o vídeo-rock, mas chegaram cedo demais.
No dia 9 p.p. tocaram em Portugal. Já o haviam feito num concerto mítico em cascais, 1979. Não tenho notícias do concerto do dia 9.
Tenho para vos deixar o interior da capa do disco ao vivo e dois vídeos: de um hit do seu primeiro disco, WHITE PUNKS ON DOPE e de DONT TOUCH ME THERE.
[Nem sei bem qual a intenção deste artigo! Valha-me Deus! Ah, já sei: What Do You Want From (Live)]

 

GAZUA Contracultura

No dia 18, sexta-feira, os GAZUA apresentaram no São Jorge, em Lisboa, o seu terceiro longa duração, “Contracultura”. Novas canções, a mesma atitude.
Os GAZUA são actualmente uma das melhores bandas rock portuguesas por várias razões: desde logo porque, não sendo claramente originais no som que produzem, são sem dúvida excelentes instrumentistas e fazem o…

GAZUA – a união faz a força – R12

Originally posted 2018-09-27 06:47:05.

GAZUA + R12 NO IN LIVE CAFFE, MOITA, 09.05.2009

Na sexta fui a Moita. Mais uma corrida, mais uma viagem! À chegada à terra dos toiros, trazido pela brisa de final de dia, um leve cheiro a estrume! Tudo bem, é a tal terra de touradas.
O destino não era um qualquer circo de feras domesticadas atrás de quem homens e cavalos correm e farpeiam como se não houvesse amanhã, para gáudio dos adeptos do espectáculo tauromáquico.
A rota traçada levava-me ao IN LIVE CAFFE, uma sala onde se comunga da fé no Rock’n’Roll e se chamam as massas a assistir às homilias das bandas que por ali passam.
No cartaz GAZUA e R12. Lisboa e Ribatejo, não em confronto mas em comunhão e solene, que o momento esperava-se alto, cada um pregando à sua maneira a sobredita fé.
Eu sou um crente, um peregrino do rock, já o disse aqui algures, a propósito de um concerto da defunta banda THE DOLL & THE PUPPETS, que teve lugar em Torres Novas, onde os GAZUA tocarão no dia 16, no Teatro Virgínia, local sufocante e onde ao menor movimento se transpira um litro de suor! Coisas de arquitecto.
Bom, mas o que importa é o gig de sexta-feira. Valeu ou não a pena? Vejamos.
A abrir a noite os R12, uns rapazes que além de apanharem batatas, segundo dizem, e porque apanham batatas, são praticantes alucinados de um Punk Agricultor, glória do Ribatejo. Misturam Ska e Punk, e ao ouvi-los vieram-me à ideia os VOODOO GLOW SKULLS, uma vez que além das guitarras têm um moço que sopra, ou bufa como se diz no norte. Bufa num trompete (se não é corrijam-me aqui rapazes, porque, em rigor, só há um instrumento que conheço bem: o meu). Editaram um LP (deixem-me dizer assim, à antiga), BOLETIM AGRÁRIO, o qual teve uma excelente receptividade por parte da crítica, seja lá o que isso for, da especialidade.
Em palco demonstraram o músculo do que tocam. Outra coisa não seria de esperar para quem tanta experiência tem na apanha de tubérculos. Misturando o Punk com o Ska variam entre os tempos rápidos e a distorção da guitarra e instrumentação mais desenvolvida e vozes mais limpas. As letras são, em simultâneo, corrosivas, assumidamente políticas e satiricamente incorrectas. A mistura é explosiva. BUM! Fiquei fã. Não tenho o “BOLETIM AGRÁRIO”, mas aceito doações, que não contam para IRS.
Os GAZUA são um “power trio”, cujos elementos têm já uma grande rodagem no mundo do Rock’n’Roll. Se quiserem dizer que tocam Punk Rock, por mim está bem. É um rótulo. Os GAZUA para lá do som “raw” que produzem juntam à mezinha letras com nítida crítica social, aliás apanágio do Punk, que aludem a ideias que os tempos foram colocando, indevidamente, fora de moda: a união, a construção daquilo em que acreditamos, a luta por melhores condições de vida, a intervenção social que se espera de cada um de nós e não a apatia diária com quem nos cruzamos na rua.
Os riffs de guitarra são bem construídos, soam bem, melódicos e dá vontade de os ouvir repetidamente. Os GAZUA editaram já, à sua conta, CONVOCAÇÃO e MÚSICA PIRATA (aceito doações).
Como não tenho o pirata, estou desde as 10 horas da manhã a ouvir em loop a CONVOCAÇÃO e idolatro o riff inicial do tema Sair da Escuridão, o qual condensa bem o espírito da banda e o seu grito de revolta perante a apatia social do rebanho em que todos nos tornámos. Assim, os seus fãs o entendam e usem a gazua para abrir as portas do conhecimento e do discernimento.
Da noite ficam as fotos. Acedam à Galeria clicando nas fotos aqui do texto.
Ok! Enough!
See ya!