Considerações sobre o Mercado de Fotografia Fine Art

A Fotografia ocupa, já há algumas décadas, espaço cativo nos principais Museus e Coleções de Arte do mundo. A sua valorização também é espantosa: a fotografia mais cara da história, “99 Cents II” do alemão Andreas Gursky, foi vendida em 2007 por 3,3 milhões de dólares. Levando em conta que a fotografia, em relação à […]

Alegoria do Inferno

Aleg(o)ria do In ferno

Originally posted 2011-06-22 19:18:17.

O que  interessa

neste inferno, é  valer a pena esse exorcismo de libertação.

O resto são pedaços de cinza que os desejos vão acumulando,

como brisas ainda quentes dos sonhos

 

Alegoria do InfernoPor todo o inferno do Mundo, a chama despertou a paisagem e o simbolismo do grupo posicionado junto à praia. O fogo do interior do mar. Um outro inferno, uma outra sequência. Um fotógrafo de uma família, contratado, dispara projetando para o ar a fixação do espanto. O fogo sai como um disparo. A família poderia ser morta na inércia dessa fixação. Captar infernal. Arlindo capta o momento como o momento o capta. Esse ruído silencioso de inferno/inverno projetado na fotografia. Inferno interior. O inferno de Dante por cantar. Ou por contar ou “rock in roll”  virtuoso, abrasivo de diabos á solta, do grito  da revolta, grito da revolta, nascituro vindo das entranhas.

Eis a prova fixa do fotografar infernal.

Uma grande multidão tentando abarcar o oxigénio que nos destrói e sustenta.

Andamos por aí a necessitar das cinzas depois da explosão. Combustão do bailado das labaredas. É o ruído do vulcão. Do rodopiar efémero para esse centro. O mundo contraste de termos de viver uns com os outros. No inferno da maldita fixação do olhar, na destruição para o outro lado dos frios. Infernos de labirinto do Arlindo Pinto ritmados ao compasso da feroz viagem do salve-se quem puder que o inferno se aproxima.

Há que desviar o olhar para o território desconstruído. Tudo se transforma no crepitar do som magnífico do roçar asfalto da viola pedida.

Fotografada no embaraço.

Assim se acumulam as procuras para o desencontro.

Como o INFERNO muito menos químico, mas mais abrasivo.

Centro do Sol. Como “coisa” fotografada aqui tão perto como tudo.

Ou talvez o fixar.

O fixar do Arlindo Pinto. Com miragens

Do calor…

 

Eduardo Nascimento, 2011

OS LÁBIOS

Watchin’ o Inferno d’Os Lábios

Originally posted 2011-06-20 23:36:20.

Howdy!
Pelo facto de ter andado bastante ocupado, tenho descurado aqui o Planeta. Os Catos estão quase a morrer à sede…
Importa por a escrita em dia, ainda que seja um pouco a correr. Vejamos:
ALEGORIA DO INFERNO› Exposição da série ALEGORIA DO INFERNO
Está exposta, entre 18 de junho e 17 de julho de 2011, na Sala Afonso Cruz (fotógrafo figueirense), do Centro de Artes e Espetáculos da Figueira da Foz, a série de fotografias deste ano, “Alegoria do Inferno”. Se tiverem oportunidade de passar por lá, não deixem de visitar. O CAE é uma espécie de CCB em ponto pequeno, com várias valências, num espaço rodeado de verde e com excelentes instalações. Da visita que fiz na sexta-feira passada fiquei positivamente impressionado com o Centro e com a sua programação, aliás, disponível online na página do mesmo. Sexta-feira foi dia de montagem da “Alegoria”. Correu da forma esperada e podem ver o resultado na foto aqui em baixo. SALA AFONSO CRUZ
› Exposição OLHAR OS LÁBIOS
É a primeira vez que faço uma exposição com trabalhos de concertos e de sessões promocionais de uma banda. Por várias razões, tudo se conjugou para que a primeira dessas exposições fosse dedicada a um só grupo, OS LÁBIOS. Aqui no planeta já demos conta do seu disco que, aliás, num concerto único, lançaram a bordo de um elétrico da carris!!!
As fotografias foram obtidas em sessões para fotografias OS LÁBIOSpromocionais e concertos por aí! Na exposição estarão devidamente identificadas, assim espero e Nossa Senhora me dê paciência para o fazer… (aqui entre nós: claro que vou fazer!).
Nesta exposição tudo se mistura, música, energia e fotografia. Algumas, como a que aqui veêm, são inéditas.
OS LÁBIOS atuarão no dia da inauguração, a 2 de julho de 2011, pelas 18h.30m, um sábado.
Se não forem pelas fotografias, vão pela música. Se não forem pela música, vão pelas fotos. Como vêm há sempre uma razão para ir até ao Salão Nobre dos Recreios da Amadora, na AmadWatchinTimeora, obviamente.
Se não estiverem para aí virados vão apanhar um escaldão!
› Watch(in) Time (four)
Aqui só para dizer que esta foto da série “Watch(in) Time” foi escolhida pelo júri da Artslant Gallery como vencedora do 3º showcase de 2011, na categoria fotografia.

 

› Outras
Este ano ainda haverá, pelo menos mais uma exposição, se tudo correr como planeado.
Houve mudanças no “look” do site e do blogue, tudo em busca de velocidade e simplicidade. Espero que tenham gostado. Se não gostaram, não se acanhem e digam mal…
Saudações fotográficas.