Ocaso

Originally posted 2015-02-04 00:14:15.

I am nudePercorro de passo curto o teu torso e nádegas de cacau.
O amarelo do ocaso revela sombras em desalinho.
Corpos frementes em devassos gestos de prazer e condimento de colorau,
Carnação em lume… eu e tu um corpo onde me aninho.

Corpos que se fixam, bocas que arfam, órgãos que latejam,
Sangue inflamado que circula nas veias em chama.
Carícias de gente vulgar num vai e vem de almas que poetam,
Poema urdido de danças e desejos no lácteo da cama.

Imitam-se, envolvem-se, revolvem-se os corpos transpirados.
Mistura-se a libido e o bem querer revela-se em frémitos de prazer.
Os corpos gritam e as bocas calam os gemidos abraçados.

Foi-se a fome num entardecer de volúpia.
A carne lateja ainda mas inerte,
Na dança adorada da fonte que corria.
Caio lânguido na noite e o teu corpo permanece.

2 thoughts on “Ocaso

  1. UAU!! Estou contente por ver que voltaste a sentir a voz da poesia a sussurrar-te em forma de corpo de mulher. Lindíssimo poema, grito da paixão e do amor. Parabéns ao poeta e à musa!!! :)))
    Bjs.

  2. Lindo, estou comovida, nem sei o que dizer….simplesmente que o sentimento é recíproco.
    Love u 🙂
    Beijo

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.