Gargulas no céu das estepes!

Originally posted 2010-05-05 02:15:28.

GargulaA chegada da estação quente trouxera consigo acalmia às hostes em confronto e prazer redobrado aos guerreiros, que repousavam a carne macerada e os ossos doridos junto das suas amantes. Apenas ao entardecer o frio das estepes se fazia sentir de forma moderada. Uma ténue brisa de fim de tarde, acariciava indelével os cabelos dos que assomavam às janelas mergulhando na frescura das estepes ou regressavam a casa antes que o sol se desvanecesse por detrás da mais alta montanha.
Havia já quarenta dias que Segomo e Tutates não se defrontavam em campo aberto. Apenas pequenas escaramuças pontilhavam o território, sempre que patrulhas avançadas, inadvertidamente, ou em sinal de desafio, ultrapassavam as linhas imaginárias de divisão do território de cada um daqueles povos guerreiros. Em regra, estas contendas visavam, antes de mais, testar a guarda de cada um deles e trocar avisos de alerta, à mistura com juras de mortífera vingança, sobre soldados, famílias e tudo o mais que mexesse do outro lado da fronteira.
O Conselho de Sábios Segomo aproveitava as tréguas para rever estratégias, desdobrando-se em pedidos de colaboração e auxilio junto dos povos vizinhos, para que os seus primogénitos engrossassem as fileiras Segomo, na luta contra os Tutates. Nem sempre eram bem sucedidos. Alguns dos povos circundantes preferiam manter a sua isenção, a comprarem uma guerra cujo desfecho lhes poderia ser bem desvantajoso.
Enquanto os Segomo procuravam alianças, os Tutates recrutavam ferozes mercenários oriundos da antiga Tibéria. Homens corpulentos, cujos corpos ostentavam a marca de muitas batalhas, anunciadas por cicatrizes onde outrora lâminas enfurecidas lavraram a carne ainda virgem, disseminando a dor e a morte. Deles se dizia terem a força de um toiro e a astúcia de um lobo. Vencê-los na luta corpo a corpo era tarefa sobre-humana e os Segomo sabiam-no bem. Kalaika, filho de Metores, recorda com frequência, em rodas de amigos, como a patrulha de seis Segomo em que seguia, se bateu, com denodo, mas sem glória, com um guerreiro Tibério, que, em busca de caça, certo dia penetrou temerariamente, assim pensaram, em território inimigo.
A patrulha Segomo detectara-o já muito próximo da linha de fronteira, enquanto fugia carregando o produto da sua caça. Os seis Segomo pensaram estar perante uma presa fácil, pelo menos a aritmética assim o asseverava. Decididos no assalto ao gigante Tibério, os Segomo foram sendo ceifados um por um, com os golpes vigorosos do alfange que aquele trazia à cintura. Apenas Kalaika foi suficientemente lesto, para perceber que resistir ao gigante lhe traria a glória efémera de uma morte prematura, pelo que pôs os pés ao caminho e rumou ao povoado para contar o sucedido, deixando para trás o Tibério coberto do sangue dos seus camaradas de patrulha.
Neófrates aproximou-se da janela, tacteando à sua volta. Sentiu o fresco da brisa afagar-lhe a comprida barbela. Estivera inquieto durante toda a tarde e talvez a frescura de fim de tarde lhe trouxesse algum alívio e o libertasse dos seus mais sombrios pensamentos. A confirmarem-se os rumores de que os Tutates tinham conseguido juntar às suas fileiras sete mil Tíbérios, o próximo confronto seria devastador para os Segomo, trazendo consigo a aniquilação quase certa.
Neófrates há muito matutava na mais tenebrosa das suas ideias, mas a, seu ver, a única que poderia trazer equilíbrio à balança da guerra das estepes. Expô-la ao Conselho de Sábios, era para si um tremendo desafio, pois não ignorava que os seus pares se iriam opor-lhe com veemência e, agora que tinha sido admitido no conselho, não pretendia criar quaisquer fricções que provocassem a ira, ainda que totalmente desproporcionada e demasiado dramática, daqueles.
“Mas não há outra forma! Seremos chacinados pelos tibérios!” – Magicava Neófrates.
Depois de muito lucubrar de olhos postos na montanha, tomou a resolução final de comunicar ao Conselho de Sábios, que, em sua opinião, Gárgulas deveriam cobrir o céu das estepes e apressou o passo em direcção ao centro da cidade.

CAPITULO I

CAPITULO II

5 thoughts on “Gargulas no céu das estepes!

  1. Parabéns, felicidades
    De todas as coisas que a sabedoria concede
    Para nos tornar completamente feliz,
    A maior é a amizade
    Que passes mais um feliz aniversário
    Um braço Vimaranense
    Julieta Faria

  2. Querido Arlindo,

    Concordo plenamente com o comentário anterior embora eu ache que tanto és bom a escrever como a fotografar. Devias escrever mais e desenvolver essa tua faceta 🙂
    Beijos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.