Galiza e Portugal, uma só nação!

Originally posted 2018-07-19 17:26:00.

Portugal e a Galiza estão ligados por factores culturais, geopolíticos e económicos. “Galegos e portugueses fazem parte da mesma nação cultural, até ao ponto de que um estudioso do facto nacional na Europa ocidental, como o italiano Salvi, autor de “Le nazioni proibite”, estima que a Galiza é uma das “false nazioni” da Europa. Para Salvi, Galiza é uma falsa nação, porque não é uma das que ele chama nazioni proibite, quer dizer, não é daquelas nações que não conseguiram constituir o próprio Estado nacional sobre alguma parte do seu território, pois a nação galego-portuguesa, na sua prolongação portuguesa, sim conseguiu dar-se um Estado, embora parte do seu território inicial (o território da actual Galiza) faça parte do Estado espanhol e, portanto, sem Estado próprio”. Xavier Vilhar Trilho

Talvez, a sul do Douro, esta questão não se equacione sequer, convencidos ou ignorantes, que somos das nossas raízes históricas e dos laços que nos unem com o povo a norte do Minho. Tão esquecidos que admitimos serenamente, tal qual um rebanho obediente às ordens do pastor ou aos avanços do canito sentinela, que traçam o caminho que as ovelhas dóceis devem seguir, sem pensar, sem indagar, que nos conformamos com as incursões espanholas de que paulatinamente vamos sendo alvo, prestes a tornar-nos uma colónia castelhana. No entanto, o Norte do país tem investido e tornado efectiva a ligação entre os dois territórios, nomeadamente através de colaborações conjuntas nas áreas cultural e científica.

“Nós, os portugueses, podemos dizer que, da Galiza, o seu cerne, a sua essência, está em Portugal, e que não temos medo de chamar Galiza a todo o Norte do nosso País, que as coisas são como são, por muito que pese aos espanhóis.” José Chão Lamas

Os portugueses em geral, são uma massa amorfa que permite tudo a todos, designadamente, aos seus governantes, por mais que lhe aumentem os impostos, ou diminuam as garantias e até atropelem direitos constitucionais. Não é de admirar que além de permitirem, com subserviência até, as investidas espanholas na área do comércio, com resultados desastrosos para o comércio genuinamente português, não se interessem em saber que ligações existiram, existem ou poderão existir entre Portugal e Galiza.

Mas, “nós, os portugueses, os que nos fazemos perguntas acerca destas coisas (só quem fizer as perguntas dará com as respostas; em saber perguntar, pesquisar, está o segredo da sabedoria e do conhecimento), pensamos que a Galiza é uma região espanhola que vêm caindo por cima de Portugal e na qual as pessoas falam um linguajar deturpado e feio como um espanhol com muitas palavras portuguesas, e onde as pessoas do povo entendem os portugueses e não têm essa atitude anti-portuguesa que se dá nos espanhóis quando o homem (ou mulher) português não é um iberista. Mas isso não é a Galiza, é somente uma parte da Galiza. A Galiza é na realidade grande parte de Portugal, de Santarém para cima, é aí que chegava o velho reino da Galiza. Haverá por acaso algo mais galego do que Braga, capital da Galiza romana, do reino suevo, da Igreja da Galiza? Lugo e Santiago sempre agiram por delegação do “verum caput” Braga, durante doze séculos a cabeça, e que por isso mesmo é ainda a cidade primaz de Portugal.” José Chão Lamas

A história diz-nos que “… ao emancipar-se a Galiza bracarense do império espanhol, aquela Galiza sueva tam altiva como compacta antes da Reconquista e despois da Reconquista, ficava, por dizê-lo assim, dividida por metade. Ou a Galiza lucense devia seguir a sorte da bracarense, ou impedi-lo a todo o transe, pois ficando afecta à monarquia espanhola, sobre ficar incompleta, ficava excêntrica, fora do seu assento moral e dos seus interesses de raça. De tolerar-se a separaçom do reino de Portugal, reino nascido e formado na Galiza bracarense, devemos ser portugueses antes que espanhóis, porque a emancipaçom da Galiza bracarense da Coroa de Leom e Castela significava o triunfo perfeito da nobreza sueva sobre a nobreza goda…” Bento Vicetto

Também na área da música popular, os músicos têm veículado a união existente entre Portugal e Galiza, reivindicando e fortalecendo as ligações entre os dois povos. São frequentes as referências a Portugal, à sua cultura e aos pontos de contacto entre as duas (?) culturas. Os Resentidos, Siniestro Total e, mais recentemente, A Banda de Poi, são exemplos desse sentir.

Hoje fica aqui um tema do primeiro disco d’ A Banda de Poi, que pela primeira vi em Vilar de Mouros. Nos Links (148) podem encontrar links à banda e à problemática “Galiza e Portugal, uma só nação!”.

Para que se entenda melhor o tema que podem ouvir, fica aqui a letra, para cantarolarem:

kommies

Ao capitám jó pirata leçeiro
Tentou subornalo o “big boss” petroleiro
Pagarei-te bem se es um bom corsário
Se nom tens escrúpulos se és um bom mercenário
Kommies kommies kommies kommies
Som uma ameaça os kommies comunistas
Acaba con eles anti-sionistas
Som o eixo do mal o grande satán
A sua cor é vermelha moran no indostám
Kommies kommies kommies kommies
O nosso problema e o kommie teimoso
Nom quer entender o nosso negócio
Chegar a um país matar e vencer
Vender o armamento e ficar có poder
Kommies kommies kommies kommies
O che e o alhende
Os inoçentes do 36
Na galiza alexandre e daniel
Em portugal no tarrafal
Jesús e ghandi
E o povo unido adiante
Kommies kommies kommies kommies
O nosso sistema tém grandes ventajas
Sacamos o ouro ficamos coas gajas
O “neo-kommie” consume filmes hamburguesas
Garrafas de cola bombas japonesas
Kommies kommies kommies kommies
E muito importante que o kommie comprenda
Que é um terrorista se defende a terra
Preciso é ensinar ao kommie a pensar
A moda texana no nossos “think-tanks”
Kommies kommies kommies kommies
Liberdade!

 

49 thoughts on “Galiza e Portugal, uma só nação!

  1. Sou Brasileiro, amo a língua portuguesa, a mais linda entre todas.

    A história separou a Galícia e Portugal.
    Portugal se tornou uma grande nação na época dos descobrimentos e há que se ter respeito a isso.
    Portugal expandiu e organizou sua língua antes mesmo de outros povos, inclusive o espanhol.
    Disseminou esta língua aos 4 cantos do mundo.

    Sinto, mas a Galícia virou castelhana. Perdeu seu contato com a língua.
    Que querem??? Que o norte de Portugal fale Galego???
    Como falar Galego se o próprio povo não se impõe à língua espanhola???

    Galícia, incorporada por Portugal em único País, sim.
    Galícia incorporando o norte de Portugal, vai simplesmente ser engolido pelo império espanhol.

  2. A Galicia non e Portugal, ….Nos os galegos temos unha lingua que e o galego, non o portugués
    nos os galegos queremos a unión do norte de Portugal a Galiza , si,
    Eu non quero nin mais outros meus paisanos a unión da galiza a Portugal, consideramos que o norte de Portugal a rexion norte de Portugal e Porto deben ser un so país, chamado Galicia, nunca, nunca nunca, nunca, chamado Portugal, ademáis dicir que o territorio baixo a rexion norte de Portugal e Lusitania,

    O norte de Portugal debese unir na Galiza e falar galego non portugués, nos somos un so e único país, chamado galiza, coa rexion norte de Portugal tamen, ….VIVA O MEU PAIS CHAMADO GALIZA,FORMADO POLA GALIZA E A REXION NORTE DE PORTUGAL!!!!….NUNCA, NUNCA, NUNCA GALIZA LUSITANA,

    O NORTE DE PORTUGAL DEBE VOLTAR A TERRA NAI QUE E GALIZA E ABRAZAR A LINGUA GALEGA E ESQUECER A PORTUGUESA, NOS NON SOMOS LUSITANOS, SOMOS GALEGOS,

    apertas

  3. A Galiza é o Ulster; há uma similaridade imensa: República ao Sul e pertenza ao Reino (Britânico ou espanhol, tanto faz).

    A ideia malogradamente não é partilhada por quase ninguém na Galiza nem lamentavelmente é levada a sério em Portugal; mas eu nem preciso ter aceitação nem convencer ninguém: é a minha ideia, e pronto.

    É claro que quando se tem uma ideia gostar-se-ia partilhar com outrem, e mesmo chegar a ser ideia esmagadoramente sustentada… mas ainda não dando para isso, é a minha convição e não posso me recusar.

    O nome da nação, por minha ideia, deveria ficar a ser Portugal (carrega já o nome da Galiza) e a capital nem tem que deixar de ser Lisboa. Nem a bandeira, nem o regime tem de mudar. Eu estou-me nas tintas para os regimes especiais ou as regiões autónomas ou qualquer coisa do género: portugueses de 1ª e pronto.

    Abraço de Ponte Vedra aos portugueses do Sul e das ilhas.

    PD.: como estão a perceber, haveria que dar um tempinho de transição para a aprendizagem do português e arranjar um convívio -o menos alargado possível- com o espanhol e os esfianhos de “galego” que ainda sobram; em troca também não era bem considerarem-nos cidadãos de 2ª (teria sido um caminho ao vazio). A ideia é: paciência dos portugueses e humildade dos galegos.

    É isso aí!.

  4. GALIZA

    Desde os tempos livres, gallaecia celtica,
    Do pisar do chão druídico Atlântico
    Clama o nosso povo a Liberdade
    Roubada por um povo estranho e bruto!

    Ah! Grandiosa Galiza megalítica
    Livre do escuro espanhol opressor,
    Tu, que foste o Reino Kalaikós
    Das Letras, dos Sábios do amor…

    Foi Kallaikoi a Mãe Celta grandiosa.
    Luminosos povos bons a engrandeceram.
    Até que o século XII escuro e vil a feneceu
    E os ventos de traição dos Henriques, ofendeu!

    Do inferno, da dor, da tirania,
    Exalam da Galiza Altas Vozes!
    São cantares ancestrais da Galeguia
    Avisos da Mãe Poema Rosalia…

    Sobre os ossos dos avós da nossa Terra,
    Passeia a bruta gente degradante
    Roubando a nossa língua à nossa Gente
    Trazendo ao nosso povo infâmia e guerra!

    Que o clamor do nosso povo, dividido,
    Seja ouvido pelos homens bons do mundo
    E um deles, filho nosso, nosso Clã,
    Connosco queira à Terra Nossa Breogã!

    Lutam os galegos das letras dos arados,
    Lutam nas cidades nas vilas nas aldeias,
    Lutam pelo sol nos olhos espantados,
    Lutam p’la Galiza perfumada com ideias…

    Estende-se a Galiza por montanhas
    Planícies e seus vales com cimeiras…
    Dos mil-rios, rias-baixas, Fim-da-Terra,
    São expulsos os galegos das aldeias!

    Agigantam-se os Heróis da nossa Terra!
    Ondas de revolta expandem-se no ar…
    Levanta-se o povo a gritar e a cantar
    Que o ocupante negro e bruto haverá de expulsar!

    AGM

  5. Os galegos estão a introduzir a língua portuguesa no seu sistema de ensino e querem ser membros observadores da CPLP, nada de mais se….não estivessem os galegos apenas a aplicar os seus interesses, não nos equivoquemos a aproximação à Galiza à lusofonia nada tem a ver com Portugal mas acima de tudo com o Brasil e Angola, dois países de língua portuguesa que já são potencias regionais na América Latina e África austral respectivamente, só os portugueses digamos mais distraídos não observam esse facto. A pergunta que se põe pertinente é: e que faz Portugal no meio desse interesse galego? Pois sabendo de antemão esse interesse galego, deveremos contrapor os nossos interesses num mercado de cerca de 3 milhões de hab. e que será uma região ideal para que a cultura portuguesa e as suas empresas comecem a afirmar-se definitivamente no mercado espanhol, ou seja usar o lobby galego em Madrid para “ajudar” esse objectivo, embora as empresas espanholas não tenham dificuldade em entrar no mercado português, o contrário já existe não pela falta de competitividade das empresas portuguesas mas sim porque existe de facto por parte das administrações autonomas espanholas uma espécie de anti corpos à entradas efectivas de empresas portuguesas e embora estejamos numa UE. Portanto a Galiza será extremamente útil a Portugal caso claro os governos aproveitem essa aparentemente viragem a sul da Galiza muito por culpa da 5.ª potência mundial, o Brasil.

  6. Concordo absolutamente em que a Galiza seja parte de Portugal; vão dois assuntos antes de mais: como galego que sou, de Ponte Vedra, estou longe de ser um “porco imperialista”. É assim que estou pela unidade desde a parte a “anexar-se”, quer dizer, do “cacho pequeno”…:)

    Os riscos que lhe vejo a Portugal são de muita variada ordem:

    1.- Anexar-se dois milhões e meio (e baixando) de analfabetos em português (na verdade, em qualquer língua)

    2.- A trapalhada da “Gallaecia” ou da “Portugaliza” que andam a desvirtuar o tema; para mim o País é Portugal, aí já leva o nome da Galiza; e a capital fica em Lisboa, que bem está!.

    3.- Nem o nacionalismo galego, que já é pouco, alveja a unidade com Portugal,….. mas dito isto tudo…

    Eu sou pela unidade, pela continuidade: para mim a Galiza é o Ulster, e, como no Ulster, quando quero respirar a República vou-me abaixo !!!; para mim a bandeira republicana é a portuguesa. A ÚNICA BANDEIRA REPUBLICANA QUE TENHO POR MINHA !!!….

    E para a merda de autonomia que nos deram os espanhóis, eu renuncio a ela já mesmo.

  7. Amigos Galaico-portugueses

    Disculpadme en primer lugar por no escribir en vuestra vella lengua Galaico-Portuguesa, que la entiendo muy bien.

    Quiero deciros, que -como nacionalista valenciano- apoyo la lucha del pueblo galego por su liberación nacional de la opresión nacional que desde los reyes catolicos esta sufriendo, como la estamos sufriendo los otros pueblos celtibericos del estado castellano-español.

    A naçom Galega, solo podrà salvarse de la asimilación castellano-española con la independencia y su asociación con la otra´´Galiza“ que se separó ,- el Condado Portucalense- del Reino da Galiza medieval.

    Lo que me estraña mucho , es que ningún partido nacionalista galego se plantee un proyecto nacional de una vez conseguida la independencia de Galiza, la naçom galega pudiera federarse con la otra Galiza portuguesa, constituyendo un estado confederal Galaico-Português.

    Castelao y otros nacionalistas galegos historicos , de la segunda republica espanhola reivindicavan algo parecido.
    Puedo comprender el temor que los nacionalistas galegos deben de tener a que si en sus reivindicaciones nacionales lo propusieran al pobo galego, podrian ser acusados de ser unos lusistas y lo que buscarian seria la anexión de Galiza a Portugal.

    En los Paises de lengua catalana, el País Valencià, Catalunya i las Illes Balears i Pitïuses, los partidos nacionalistas de los tres paises asumieron que la ´´Nación Catalana“ era la formada por todos los territorios donde se habla el catalàn, y eso fuè rechazado en el País Valencià por la mayor parte del pueblo valenciano , que acuso a los valencianos que reivindicavan ese proyecto nacional de ser unos ´´pancatalanistas“ i de querer la anexión del País Valencià a Catalunya- donde el pueblo valenciano se diluiria como pueblo y pasaria a ser solo que ´´catalanes del sur“ .

    Ese nacionalismo ´´Pancatalàn“, solo fuè asumido solo por los sectores mas cultos de la sociedad valenciana , universitarios, desde profesores i catedraticos de la universidad, e intelectuales, pero el pueblo valenciano lo rechazó.

    Las consecuencias de aquel nacionalismo pancatalan, probocaron la conocida como ´´Batalla de València“, donde la derecha mas castellanista y conservadora valenciana alentó el anticatalanismo, y acabó en una lucha por los simbolos identitarios, como el nombre del territorio, el de la lengua o la bandera, cosa que solo sirvió para enfrentar a los valencianos entre si e impedir que el pueblo valenciano pudiera recuperar la conciencia nacional perdida.
    El nacionalismo pancatalanista impidió que el pueblo valenciano recuperara la conciencia nacional perdida desde el Decreto de la Nueva planta del Borbón FelipeV, ya que si se hubiera seguido reivindicando el nacionalismo estrictamente valenciano que los nacionalistas valencianos de la segunda republica española reivindicavan sin negar los lazos historicos , la unidad de la lengua y la hermandad que huvo entre Catalunya y el País Valencià, el pueblo valenciano hubiera podido recuperar- muchisimo mas facilmente – que con el nacionalismo pancatalàn- la conciencia nacional.

    Si esa propuesta nacional pancatalana, que lo que buscava era que los tres paises de lengua catalana volvieran a estar unidos como lo estuvieron en la Corona de Aragón, la mejor manera de que los valencianos y balearicos lo aceptaran y asumieran huviera sido con un proyecto ´´confederal“ de las tres naciones de lengua catalana que no supusiera una anexión a Catalunya , que esa confederación no se llamara ´´Països Catalans“, ni supusiera que el País Valencià fuera considerado una región de la nación catalana.

    Os he puesto como ejemplo el caso Catalán-Valenciano, como lo que los nacionalistas galegos que esten por la unión nacional con Portugal tengan encuenta, pués si se hiciera como el pancatalanismo ha hecho en València, el pueblo galego lo rechazaria y acusaria de anexión de Galiza a Portugal.

    Solo mediante una union confederal, que respete la personalidad galega y la soberania podran asegurar el apoyo del pueblo galego a la reunificación politica de Galiza y Portugal , en un estado confederal Galaico-Português, donde Galiza ya no podrà ser asimilada a Castilla y ser expoliada fiscalmente y marginada en inversiones en infraestructuras.

    La mejor manera que los nacionalistas galegos teneis para ganaros al pueblo galego e impedir su castellanización , es el decirles , que la lengua de Galiza tambien se habla en Portugal, que el ´´Português“ és el Galego evolucionado tras la separación del Condado Portucalense de Reino da Galiza, que Galiza es la madre, la creadora de Portugal , que la reconquistaron del dominio musulman los condes galegos Vimara Peres y Hermenegildo Guterres, que fundaron los condados de Portucale y el de Coimbra y la repoblaron con colonos galegos que llevaron la lengua galega a las tierras portuguesas, que estas tierras fueron incorporadas al Reino da Galiza, y que un rey Galego , Ordonho II instauró la capital de su Reino da Galiza en la ciudad hoy portuguesa de Viseu.
    Galiza, -que creó Portugal- no puede acabar por perder su identidad, su lengua Galaico-Portuguesa y acabar por ser una región castellanizada y despersonalizada.

    Si algún português, se siente ofendido por que los nacionalistas galegos tengan que decir estas verdades para ´´abrir los ojos“ al pobo galego , que comprendan que se hace para eso , para que la nación hermana galega despierte y vuelva a reencontrarse con ´´os seus hirmâos da Galiza“ y así pueda salvar su identidad, lengua y cultura del imperialismo castellano-espanhol.

    UN SALUDO DESDE EL PAÍS VALENCIÀ.
    VIVA A NAÇÂO DA PORTUGALIZA!
    GALIZA CEIVE!

  8. Olá esta resposta e para o carlos v nesta pajina amigo como te atreves a diser que gastavas de Portugal dividido temos900anos de historia agora fasute uma pergunta e se partissem a tua família ao meio o que fasias como te sentias para o resto da tua vida em Portugal nos os portugueses donorte sao vistos como portugues do norte ou de Braga ou de Guimarães etc nunca desemos galegos o povo portugues esta todo mestudado E fizemos bem somos um povo feliz temos crise mas vai pasar nao compriendo como estão sempre metendo Portugal nos vosso probelemas nos somos independentes E este pais chamase Portugal agora vem o Carlos v sei lá donde falar e ate ofender as pesoas e nem portugues e pois se e e um traidor e os traidores em Portugal nao sao aseites viva Portugal Mais uma coisa agaliza nao e mãe de Portugal mas talvez irmam ou família bem chegada se tivéssemos que juntar toda a Lusitânia entao e a estremadura que foi parte da Lusitânia Este povo que nao falom muito mas que tem o noso ADN Isto e muito impurtante poque vemos um povo que e noso irmão a falar outra lingua os galegos e o mesmo estão longe de nos aqui tao perto foi tudo erros do passado que agora como vai ser Se todos se entenderem seria bom mas divididos nao

  9. Olá esta resposta e para o carlos v nesta pajina amigo como te atreves a diser que gastavas de Portugal dividido temos900anos de historia agora fasute uma pergunta e se partissem a tua família ao meio o que fasias como te sentias para o resto da tua vida em Portugal nos os portugueses donorte sao vistos como portugues do norte ou de Braga ou de Guimarães etc nunca desemos galegos o povo portugues esta todo mestudado E fizemos bem somos um povo feliz temos crise mas vai pasar nao compriendo como estão sempre metendo Portugal nos vosso probelemas nos somos independentes E este pais chamase Portugal agora vem o Carlos v sei lá donde falar e ate ofender as pesoas e nem portugues e pois se e e um traidor e os traidores em Portugal nao sao aseites viva Portugal

  10. Ola amigos oje os povos tem todo o direito a esculher o melhor para o seu povo vamos ao caso da galisa se o povo galego quiser algum dia vutar para ser portugues ou espanhol pois a vontade do povo tem que ser respeitada a um senhor que dis eu quero ser espanhol e esta serto mas ele tem que respeitar a vontade dos outros que querem ser portugueses ou manter a sua independensia o tempo de faser da terra dos outros colonia ja nao isiste e as pequenas colonias vao acabar como e algunes prontos da Europa nos Dias em que vivemos e faicl o dialogo vejom o caso da chekolsvakia pasificamente bom trabalho se separarom mas amigos esta separasao foi uma licao para muitos paises no mundo por oje quero desejar ao amigo que quer ser espanhol boa sorte com muitos abrasos e muitos palhsos sem ofensa. Antonio

  11. Ola amigos falar sobre portugal e a galisa para mim ja e tempo de se juntarem ainda que a espanha ira afalar o portugues nao quero offender ninguem so no brasil as universidades estao cheias de estranjeiros a prender o portugues toda a America latina e no mundo em jeral na china na India o journal ingles ja fala na lingua portuguesa como uma das maiores nao sei como isto se passa Tao depresa. Em Tao pouco tempo a lingua portuguesa Alasta por todos os paises sera pelos paises que a falom ou pelo brasil ou pelos negocios amigos Volto au principio. A galisa ja fala portugues esta no comboio com os portugueses para negocios millionarios Alem mar os outros terao que falar a lingua portuguesa senao Ficom parados no tempo por iso todos na Iberia irao falar a lingua Lusitana e uma questao de tempo. Antonio um abraso fratero

  12. A tese dos celtistas, foi uma tese emanada pela corrente cultural galega para enlaçar os nortenhos para uma suposta união entre a Galiza e o Norte de Portugal.
    Essa tese diz simplisticamente que dado que parte do norte de Portugal e a Galiza terem povos celtas então essas regiões tem raízes comuns logo é condição primeira para haver tal união.
    Será bom relembrar que os Celtas eram uma tribo nómada e nunca se fixaram efetivamente na Península Ibérica, sendo a sua última paragem nas ilhas britânicas.
    Na verdade há desde sempre uma estratégia iberista do lado espanhol em usar a Galiza para conseguir demover Portugal de ter sido o único reino peninsular independente e sem precisar de uniões com outros reinos para conseguir o seu intento.
    A estratégia é infiltrar os galegos em interesses chave para Portugal, por exemplo na CPLP como membro observador, neste momento finalmente parece que a Galiza vai implementar o ensino de português mas atente-se, visa exclusivamente o interesse económico para a tentativa de entrada dos produtos e empresas galegas mais facilmente no mercado lusófono, nomeadamente no Brasil e em Angola.
    Como tal a questão das relações entre Portugal e Galiza deve ser abordada com muita precaução, não esquecer que Franco era galego e na Galiza existem fervorosos defensores de uma Espanha forte e unida e de preferência com a absorção de Portugal.
    Portanto qualquer galego que proponha uma união entre a Galiza e o Norte de Portugal está a fomentar a desunião de um país com mais de 900 anos de história e como tal deve ser considerado persona non grata em território português.

    Devo dizer que qualquer galego que defenda

  13. “Caríssimo Marcel, você omite a história que não lhe convém, no actual território português houveram muitos povos mas houve um em particular que pelas suas características e pela extensão do seu território teve mais peso que foram “Os Lusitanos” e o seu herói Viriato e de que nós somos a sua herança bem como todo o território extremanho espanhol. Os Lusitanos também eram um povo celta na sua origem e na sua miscigenação final com os Iberos se tornou um tribo Celtibera, essa história de que abaixo do Douro são mouros é do mais falso e fundamentalista que pode haver e defendido por aqueles como você, no Alentejo poderá ver ruivos e loiros como no Minho e também poderá ver morenos mais morenos que algarvios por exemplo em Aveiro onde houve uma forte colónia comercial Fenícia e que aliás o seu porto teve origem.
    A tese que defende para uma hipotética união entre norte de Portugal e Galiza não pega se pegasse já estariam unidos há muito, por diversos motivos e mais alguns, a começar de que Braga sempre rivalizou na pré-existência do Condado Portucalense com Lugo e foi essa rivalidade diocesana que despoletou a cisão pela influência do clero influenciando a educação desde sempre de D.Afonso Henriques nesse sentido.
    Ou seja Portugal nasceu primeiro por uma demarcação do poder religioso e depois com o apoio das ordens religiosas que por essa via se instalaram por cá, D.Afonso Henriques se serviu delas onde figuram muitos estrangeiros para ampliar o território para sul contra os mouros.
    Portanto a segunda fase da criação de Portugal deu-se em resultado da conquista de território aos árabes e estavam às portas do Douro.
    Será bom lembrar que os árabes raramente se cruzavam com os autóctones e que cai por terra aquela história mal amanhada de que tudo o que estava abaixo do Douro eram árabes, haviam árabes sim nas fortificações ou castelos e negociantes e nada mais o resto da população que trabalhava no campo eram povos de diversas origens uns que já cá estavam e outros que vieram de fora e que por cá ficaram.
    Os árabes tinham uma característica contrária aos romanos, respeitavam a religião e usos e costumes dos autóctones, a tal guerra santa foi uma resposta à acção cruzada.
    Portanto a formação de Portugal se deve a dois factores e ambos ligados à religião católica, a primeira: o protagonismo da cidade de Braga, a segunda a ampliação de território cruzado para sul.
    A questão da língua é certo que o português provém do galaico-português e não do galego, o galego é uma ramificação dessa primeira língua híbrida assim como o português há que não fazer confusão, embora como é óbvio as duas línguas tenham alguma semelhança em algumas palavras e fonética como é lógico.
    O argumento de que uma união baseada nessa similitude não pega pelo simples facto de que se fosse só por isso então faríamos uma união com o Brasil que esses sim tem a mesma língua, o português.
    Não existe talvez pessoa mais apegado à nação como um minhoto e um transmontano, ou como um elvense ou campomaiorense e todos aqueles que vivem junto à raia este.
    Outra coisa a assinalar é que por exemplo a Extremadura também confina com Portugal e é de assinalar que o português já é a 1.ª língua estrangeira ensinada nas escolas e o estado português não gasta nem um cêntimo com isso e com uma implantação cada vez mais crescente, então nesse caso teríamos que nos unir também à Extremadura.
    Outro aspecto a considerar é a de que na Galiza o português nunca foi nem é fomentado como língua estrangeira a ser leccionada nas escolas oficiais, então como nos vamos unir a alguém que não fomenta a nossa cultura na sua região?
    Outra questão a pôr é numa hipotética união entre o norte de Portugal e a Galiza como se iria gerir as posições de Santiago e do Porto? Quem mandaria nessa união? Duas capitais? Ou será que o Porto aceitaria ser mandado a partir de Santiago? Ou será que Santiago aceitaria ser mandado pelo Porto? Todos sabemos que um corpo com duas cabeças o mais certo é ficar sempre no mesmo sítio porque não se entendem.
    Aliás quando oiço em certos meios na Galiza que devem ter um aeroporto suficientemente importante para competir com o aeroporto Sá Carneiro, está tudo dito acerca dessa questão de quem quer ser quem no meio dessa pseudo-união.
    Outra conclusão a tirar é que felizmente os nortenhos nunca foram burros e por alguma coisa o Porto é de facto “A Invicta”, ou seja o peso do Porto como capital do norte de Portugal é maior do que se estivesse diluído nessa união, aparte de que todo o sector económico nortenho ficaria estrangulado porque de repente o seu mercado ficaria demasiadamente restringido, já para não falar de que todo o seu acesso ao Atlântico a partir do sul do Douro ficaria condicionado.
    Portando meu caro numa união entre o Norte e a Galiza quem ficaria a ganhar claramente seriam os galegos por razões, económicas e estratégicas e quem ficaria a perder seriam claramente o nortenhos pelas mesmas razões.
    Agora se me estiveram a falar numa plataforma Portugal-Galiza, a questão muda de figura porque nessa situação o Norte de Portugal manteria a sua importância, o Porto continuaria a ser a capital do Norte e Santiago a capital da Galiza e até digo mais seria bastante fácil enquadrar administrativamente a Galiza no território nacional, com freguesias, concelho e distritos, por exemplo teríamos o distrito de Pontevedra, Corunha e por aí fora.
    Portugal na sua história nunca precisou da Galiza para ser o que foi e não precisará para ser o que será, mas sou da opinião que caso haja um referendo na Galiza acerca da sua independência (pessoalmente considero que seja inviável), ou os galegos querem uma integração em Portugal, acho que deveremos apoiá-los sem reserva”

    Graças a Deus que alguém falou a verdade! Mas alguém tinha que o fazer.

  14. Isto é o eu não entendo. Porque é que a Galiza é tão obcecada com o facto de Portugal ser independente? Nós não vos pertencemos, nunca vos pertenceremos, claramenmte a vossa versão da história portuguesa é diferente da nossa mas é suposto nós nos acreditarmos em vocês? Por alma de quem? Sei que vocês estão com um trago amargo por não serem independentes também mas por favor não nos metam pelo meio. Já temos guerrinhas que cheguem, não precisamos de mais nenhuma. E uma dica aos Espanhóis que comentaram: nunca, mas mesmo nunca digam que Portugal e Espanha devem-se unir. Nós não somos vizinhos, nem irmãos nem nada que se pareça. Isso foi um estereótipo que inventaram só para abafar a nossa rivalidade política.

  15. O Porto está a ficar minado de traidores iberistas comprados pelos castelhanos a propagandear uma união com os galegos dividindo Portugal ao meio que ´para depois mais facilmente os castelhanos tomaram conta de tudo. Estou convencido que isto é tudo obra de meia dúzia de fanáticos do futebol adeptos do FCP, porque se a coisa aquecer vai jorrar muita sangue no Porto. Os Transmontanos serão os primeiros a ir ao Porto limpar o cebo aos traidores iberistas, já aconteceu assim no passado, a infantria do marão disse sempre presente e esteve sempre do lado da unidade nacional contra os traidores do Porto. Viva um Portugal do MInho ao Algarve.

  16. Parece que alguém se esquece que Portugal foi criado de Norte para Sul e esses mesmos querem transmitir a ideia falsa que este país foi criado por duas uniões, a do Norte até Coimbra com a de Coimbra até ao Algarve com capital em Lisboa. O facto de este país manter a sua unidade intacta ao longo destes séculos é justamente por esse tipo de movimento integrante do seu território de Norte para Sul, ou seja D.Afonso Henriques lá tinha a sua visão exacta do que iria ser Portugal.

  17. Concordo com Marcel ! O norte de Portugal é que deve se unir à Galiza,pelos laços étnico-culturais que os unem (os falares do norte português são variantes do galego e ficam desprivilegiados quando no contexto do português como língua oficial,que os relega a condição de dialetos rurais).Viva a Ibéria céltica !

  18. Caríssimo Marcel, você omite a história que não lhe convém, no actual território português houveram muitos povos mas houve um em particular que pelas suas características e pela extensão do seu território teve mais peso que foram “Os Lusitanos” e o seu herói Viriato e de que nós somos a sua herança bem como todo o território extremanho espanhol. Os Lusitanos também eram um povo celta na sua origem e na sua miscigenação final com os Iberos se tornou um tribo Celtibera, essa história de que abaixo do Douro são mouros é do mais falso e fundamentalista que pode haver e defendido por aqueles como você, no Alentejo poderá ver ruivos e loiros como no Minho e também poderá ver morenos mais morenos que algarvios por exemplo em Aveiro onde houve uma forte colónia comercial Fenícia e que aliás o seu porto teve origem.
    A tese que defende para uma hipotética união entre norte de Portugal e Galiza não pega se pegasse já estariam unidos há muito, por diversos motivos e mais alguns, a começar de que Braga sempre rivalizou na pré-existência do Condado Portucalense com Lugo e foi essa rivalidade diocesana que despoletou a cisão pela influência do clero influenciando a educação desde sempre de D.Afonso Henriques nesse sentido.
    Ou seja Portugal nasceu primeiro por uma demarcação do poder religioso e depois com o apoio das ordens religiosas que por essa via se instalaram por cá, D.Afonso Henriques se serviu delas onde figuram muitos estrangeiros para ampliar o território para sul contra os mouros.
    Portanto a segunda fase da criação de Portugal deu-se em resultado da conquista de território aos árabes e estavam às portas do Douro.
    Será bom lembrar que os árabes raramente se cruzavam com os autóctones e que cai por terra aquela história mal amanhada de que tudo o que estava abaixo do Douro eram árabes, haviam árabes sim nas fortificações ou castelos e negociantes e nada mais o resto da população que trabalhava no campo eram povos de diversas origens uns que já cá estavam e outros que vieram de fora e que por cá ficaram.
    Os árabes tinham uma característica contrária aos romanos, respeitavam a religião e usos e costumes dos autóctones, a tal guerra santa foi uma resposta à acção cruzada.
    Portanto a formação de Portugal se deve a dois factores e ambos ligados à religião católica, a primeira: o protagonismo da cidade de Braga, a segunda a ampliação de território cruzado para sul.
    A questão da língua é certo que o português provém do galaico-português e não do galego, o galego é uma ramificação dessa primeira língua híbrida assim como o português há que não fazer confusão, embora como é óbvio as duas línguas tenham alguma semelhança em algumas palavras e fonética como é lógico.
    O argumento de que uma união baseada nessa similitude não pega pelo simples facto de que se fosse só por isso então faríamos uma união com o Brasil que esses sim tem a mesma língua, o português.
    Não existe talvez pessoa mais apegado à nação como um minhoto e um transmontano, ou como um elvense ou campomaiorense e todos aqueles que vivem junto à raia este.
    Outra coisa a assinalar é que por exemplo a Extremadura também confina com Portugal e é de assinalar que o português já é a 1.ª língua estrangeira ensinada nas escolas e o estado português não gasta nem um cêntimo com isso e com uma implantação cada vez mais crescente, então nesse caso teríamos que nos unir também à Extremadura.
    Outro aspecto a considerar é a de que na Galiza o português nunca foi nem é fomentado como língua estrangeira a ser leccionada nas escolas oficiais, então como nos vamos unir a alguém que não fomenta a nossa cultura na sua região?
    Outra questão a pôr é numa hipotética união entre o norte de Portugal e a Galiza como se iria gerir as posições de Santiago e do Porto? Quem mandaria nessa união? Duas capitais? Ou será que o Porto aceitaria ser mandado a partir de Santiago? Ou será que Santiago aceitaria ser mandado pelo Porto? Todos sabemos que um corpo com duas cabeças o mais certo é ficar sempre no mesmo sítio porque não se entendem.
    Aliás quando oiço em certos meios na Galiza que devem ter um aeroporto suficientemente importante para competir com o aeroporto Sá Carneiro, está tudo dito acerca dessa questão de quem quer ser quem no meio dessa pseudo-união.
    Outra conclusão a tirar é que felizmente os nortenhos nunca foram burros e por alguma coisa o Porto é de facto “A Invicta”, ou seja o peso do Porto como capital do norte de Portugal é maior do que se estivesse diluído nessa união, aparte de que todo o sector económico nortenho ficaria estrangulado porque de repente o seu mercado ficaria demasiadamente restringido, já para não falar de que todo o seu acesso ao Atlântico a partir do sul do Douro ficaria condicionado.
    Portando meu caro numa união entre o Norte e a Galiza quem ficaria a ganhar claramente seriam os galegos por razões, económicas e estratégicas e quem ficaria a perder seriam claramente o nortenhos pelas mesmas razões.
    Agora se me estiveram a falar numa plataforma Portugal-Galiza, a questão muda de figura porque nessa situação o Norte de Portugal manteria a sua importância, o Porto continuaria a ser a capital do Norte e Santiago a capital da Galiza e até digo mais seria bastante fácil enquadrar administrativamente a Galiza no território nacional, com freguesias, concelho e distritos, por exemplo teríamos o distrito de Pontevedra, Corunha e por aí fora.
    Portugal na sua história nunca precisou da Galiza para ser o que foi e não precisará para ser o que será, mas sou da opinião que caso haja um referendo na Galiza acerca da sua independência (pessoalmente considero que seja inviável), ou os galegos querem uma integração em Portugal, acho que deveremos apoiá-los sem reserva.

  19. O “Lusofono” desconhece completamente a história portuguesa claro está. Meu caro, por mais que pinte, porque mais que tente modificar a história, afirmar que a origem portuguesa não está na Galiza é no mínimo hilariante (e olhe só para o seu nome, “lusófono”, como se a língua portuguesa tivesse surgido em algum território remotamente próximo da antiga Lusitânia, pelo amor da santa). Meu caro “Lusofono”, Portugal nasceu no norte português que foi durante SÉCULOS e mais SÉCULOS parte sul do Reino da Galiza e ainda mais SÉCULOS anteriores um só povo que os romanos dominaram de Galaicos. O nome Galiza é derivada da actual cidade de Vila Nova de Gaia (Calle) e Portugal de Porto+Gaia (Portus Calle). É uma comédia o que o “Lusofono” está a escrever porque até parece que acredita genuinamente no que escreve. E depois, a nação portuguesa nasceu da reconquista? Oi??? E antes da reconquista não havia nação portuguesa? É isso? Que ignorância sem fim. Antes sequer de Portugal se expandir a sul do Douro, já era uma país solidificado no norte com uma língua que surgiu veja bem na Galiza. Muito típico das convenções lisboetas negar o norte português. De resto, porque a Galiza juntar-se-ia sequer a Portugal? Eu sou contra isso. O norte português é que se devia juntar à Galiza, não o oposto. Galiza precede a nação portuguesa por séculos…

  20. Claro que é um tema muito dificíl de achar-se uma definição.Primeiro penso que um plibiscito seria o caminho mais democrato,segundo- as raizes dos suevos e luzitanios,são sem dúvida a origem no norte de Portugal e da Galícia.No meu entender sem ferir os nossos irmáos,deveriam juntar-se a Portugal e passarem a se mais uma provincia .A provincia da Galícia.Até o mapa de Portugal iria ficar mais completo.De qualquer maneira isto é apenas uma hipotse.Abraços a nossos irmão Galegos e aos demais espanhóis.

  21. Partilho a ideia de que seria enriquecedora para todos a eventual inclusão da Galiza no largo espectro dos países de língua portuguesa, sem embargo de que esta Nação – que tenho por irmã de Portugal – pode e deve livremente escolher o seu caminho de autonomia que a aproximação às origens comuns reforça sobremaneira.
    Segundo penso, a diferença é que os galegos sabem, no seu íntimo, que os laços de sangue que os unem ancestralmente aos portugueses são a melhor garantia da sua liberdade!

  22. Rafael Gonzalez, ninguém diz que os galegos deixarão de ser galegos mas uma coisas é certa, estando sob domínio espanhol deixarão de o ser.

  23. Galiza foi inhorada durante seculos, por Espanha. Éramos maô de obra Inhorantes e catetos.
    Éramos mías entendidos po-los Portugueses, sobre todo do Norte, que polo resto do estado Espanhol.
    Mías como Galego, me sinto tajen diferente, e defendí a Independencia ou federación cos estados Portugues e Espanhol.
    Por sorte ou por desgraza, estamos condenados a entendernos.
    Por supuesto que defendo a autodeterminaçom da Galiza, Euskalerria, Catalunya, Andalusia,…
    Pero por separaron non somos nada. Unha confederación Iberica, seria maíz eficaz pra os interés de todos.

  24. HOLA A TODOS
    eu sou galego e falo a minha lengua tamen, eu sou de ourense….MAS NAO QUERO SER PORTUGUES, NUNCA, EU QUERO SER ESPANHOL, ESPANHA E A MINHA PATRIA, E DESPOIS GALIZA, E MELHOR QUE OS PORTUGUESES UNAN SE A ESPANHA EM UN SO PAIS….VIVA ESPANHA, VIVA O REY DE ESPANHA, VIVA A BANDEIRA ESPANHOLA, VIVA GALIZA E VIVA O GALEGO E O CASTELAN

  25. Carlos Eiras,

    Efectivamente e pragmaticamente enquanto os galegos insistirem numa aproximação só ao Norte de Portugal, será sempre em vão, terão de entender que um país como Portugal sempre foi uno do Norte ao Sul, passando pelas ilhas dos Açores e Madeira, ou seja a estratégia galega está errada desde o início e morre na praia, justamente porque os galegos ainda não entenderam esse facto.
    Quando os galegos comecem a falar com Lisboa, aí o caso já mudará de figura porque terão a atenção de todos os portugueses e talvez então comece a criar-se de facto uma onda daqui para lá.

  26. Bon día a todos

    E ben certo que a historia separou Galiza de Portugal, mais tamen e certo que alguns de nos gostariamos de achegarnos moito mais a Portugal, especialmente ao norte. Os galegos para salvaren a sua cultura e lingua necesitan de Portugal, mais a castelanización de Galiza foi moi forte nos derradeiros seculos e nom vai a ser doado.
    En resposta a Lusofono digo que no seu berce Galiza e Portucale eran a mesma cousa e foi uma desgraza, especialmente para os galegos, a división que fez o rei Afonso VI no ano 1095 en dous condados do vello reino de Galiza, unidos seriamos mais fortes.
    A Madrid gostaria que Galiza esquecera Portugal e alguns galegos intentamos recuperar o contacto, e seria bon que en Portugal se falara moito mais de Galiza, a sua cultura, musica e persoas porque isto conven a portugueses e galegos; poren todo isto vai levar tempo.
    como lle comentei fai pouco a un portugués no castro de briteiros a lingua galega non esmorecerá mentras exista Portugal.
    unha forte aperta aos irmaos portugueses.

    Carlos Eiras

  27. Na minha opinião devia juntar-se Portugal e Galiza e a capital seria Braga novamente. E se Lisboa não quiser, fica de fora. Não precisamos de Lisboa para nada.

  28. a minha opiniao a galiza a vilha de se ajuntar-a portuga e a capital fica em lisboa e a olivenca os espalholos avia de dar para tras a portugal e outra coiza que se fodas os espalholos o portugal ja foi munta vaje roubado.obrigado

  29. Creio que se está a partir de pressupostos errados de que Portugal deve a sua existência à Galiza ou aos galegos, Portugal deve a sua existência à expansão do Condado Portucalense e por D.Afonso Henriques que ampliou esses territórios até Lisboa, antes da tomada de Lisboa, Coimbra era de facto a capital do reino de Portugal.
    O Brasil ou outros países lusófonos esses sim só o são devido a Portugal e aos portugueses, portando há que não haver equívocos acerca da origem da nação portuguesa.
    Quanto à língua já não há dúvidas que o português provém do galaico-português e por conseguinte de matriz latina. Quanto à possibilidade de uma união, creio que a longo prazo acabará pela Galiza se integrar em todo o Portugal, por diversos motivos mas o primeiro dos quais será o económico, a lusofonia cada vez mais está ganhando influência e força e os galegos para manterem a sua identidade terão de decidir a sua opção política, até porque quando as empresas galegas começarem a sediar em Portugal por questões de interesse ao mercado lusófono e pagando os seus impostos em Portugal será natural que a sociedade galega comece a questionar quais as vantagens de pertencer à coroa espanhola.
    Portanto quanto mais Portugal e os países lusófonos tiverem mais importante neste mundo globalizado, mais atrairá sobre si a Galiza e os galegos.

  30. Hola de nuevo amigos Galaico-portugueses!
    Disculpadme por no escribir en Galego-portuguès, pués aunque lo entiendo bastante no se escribirlo.

    Sobre el tema de este foro, si ´´Portugal e Galiza son una mesma naçom?“´, quiero deciros que para mi opinión Portugal i Galiza tienen en comun muchos lazos historicos culturales y lingüisticos que los acercan muchisimo a lo que podriamos calificar de una comunidad nacional separada en dos estados, como podría ser el caso de Albania y el Kosovo, o Euskalerria que acabó dividida en dos entidades políticas , el Reyno de Navarra y las mal llamadas ´´provincias vascongadas“.

    La historia de Galiza- y de la Corona Astur-leonesa-galega, nos demuestra como fueron los nobles galegos Vimara Peres y Hermenegildo Guterres los iniciaron la tarea de la reconquista cristiana y la repoblación de los territorios que formaron parte del reino galego que crearon los Suevos que havían sido conquistados por el Islam.

    Fueron estos condes Galegos los que una vez conquistados los territorios de la Galiza Bracarense restablecieron las diocesis cristianas y iniciaron el proceso de la repoblación y esa repoblación cristiana se hizo con colonos galegos lo qual supuso la ´´Galegización“ lingüistica y cultural de las tierras que havia entre los rios Minho y el Mondego que havian formado parte de la Galiza del reino Suevo.

    Estos dos condes Galegos fueron los que crearon el Condado de Portucale y el de Coimbra. A ellos se deve la creación de unos condados que dieron origen a la creación de ´´a Galiza do sul“ o a la ´´antiga Galiza“- como el gran historiador portugués Herculano se refería al Condado de Portucale.

    Aunque el Condado de Portucale y el de Coimbra gozaran de una amplia autonomia eran parte del Reyno de Galiza y sus habitantes eran considerados como ´´Galegos“ por los emires y califas de Al-andalus, como lo demuestran documentos historicos.
    Prueva de ello fuè cuando el rey de la Corona Astur-leonesa-Galega, Alfonso III el magno repartió entre sus hijos reynos a y otorgó a Ordonho el reyno de Galiza inclullendo al Condado de portucale donde estableció en la ciudad de Viseula sede del reyno de Galiza.

    Otro rey galego ,Garcia II encarcelado por su hermano el rey de Castilla y León , Alfonso VI fuè también rey de la actual Galiza y del Condado de Portucale, lo cual viene a demostrar que el condado formava parte de Galiza y su reino.

    Fuè el rey castellano-leonès Alfonso VI- que una vez arrebatado a su hermano Garcia II el Reino de Galiza, el que dividió la ´´ Galiza estricta y historica“ entre los condes borgoñeses Don Henrrique i Raimundo, Galiza fuè partída en dos nuevas entidades políticas que finalmente acabaron por separarse.

    Han pasado mas denovecientos años y la realidad de aquella separación no la podemos ignorar: La Galiza bracarense- el Condado Portucalense independizado del dominio Castellano se convirtió en una gran nación que llegó a crear un gran imperio, mientras que la Galiza lucense calló en manos de la dominación y opresión castellana, fuè desposeida de sus instituciones forales y su lengua Galaico-portuguesa fuè perseguida y prohivída lo cual produjo la castellanización de la lengua tanto fonetica como escrita, lo que supuso el alejamiento del Galego-portugués de la otra ´´Galiza bracarense“ independizada.

    El ´´ reencontro“ o la creación de una unión de las dos naciones hermanas no puede passar por que ninguna de las dos intente imponer ni su dominio, ni querer reclamar como parte de su territorio- caso de algunos nacionalistas galegos que reivindican como Galiza las tierras portuguesas que van del rio Minho al Mondego, de esa manera no se puede construir un prollecto de reunificación o de federación.

    Peró la idea de crear una federación Galaico-Portuguesa creo que solo se podrà realizar de la manera menos traumatica para el actual estado neo-centralista Castellano-español que no suponga la separación de Galiza del estado.
    Solo mediante la creación de un nuevo estado conferal Hispanico – o Iberico- sería posible que Galiza se pudiera unir a un nuevo estado refundado portuguès federal que incluiría a Galiza, un nuevo estado de la confederación Hispanica: Portugaliza.

    La idea de una confederación Iberica donde todas las naciones ´´Hispanicas“ pudieran vivir asociadas respetando su identidad y soberanía y sin que ninguna de ellas se impusiera a las demàs serìa muy beneficiosa, pués ese nuevo estado confederal nos daría mas fuerza en las instituciones europeas a todas las naciones Ibericas.

    Peró hasta que el estado Castellano-español no reconozca el caracter plurinacional del estado y de mas autogovierno a Galiza , Euzkalerria, Catalunya, la Nació Valenciana y Balear y acabe siendo una federación, serà muy dificil construir esa confederación Iberica.

    Viva Portugaliza!

  31. Os galegos não querem juntar-se a Portugal, mas não é por se sentirem pouco identificados. A questão é que entre a tirania de Madrid ou de Lisboa, venha o diabo e escolha. Os galegos querem ser livres, livres de decidir seu destino, tal como o norte de Portugal o deseja, espesinhado e espremido por uma Lisboa parasita. Eu veria com bom olhos uma união com Galiza mas a capital iria para Braga.

  32. Portugal nasceu em Braga, a capital da Galiza.
    Braga não é galega ou portuguesa: é descaradamente ambas, porque são o mesmo.

    Acredito numa Europa multicultural, multilinguística, sem fronteiras. Mas multicultural não pode ser sinónimo de sem identidade cultural (e nacional). A Europa deve ser uma comunidade de nações, não uma desconstrução de nações.

  33. LA CORONA GALEGA- ASTURLEONESA
    La muerte del Conde de Castilla, Diego Rodríguez, permitió a Alfonso III, realizar una maniobra para atajar cualquier deseo de independencia o de cesión de más poder, del que estaba dispuesto a dar, a aquellos hijos de los Condes, que antaño fueran los hombre de confianza de los Reyes (Ordoño, Alfonso III). Alfonso III, dividió el reino entre sus hijos: * Garcia: Reino de León y Castilla * Ordoño: Galicia * Fruela: Asturias
    El Reino de Galicia tiene su origen en el reparto dinástico de los territorios bajo soberanía de Alfonso III el Magno entre sus tres hijos, correspondiéndole a Ordoño el Reino de Galicia. Sin embargo, al morir su hermano García I de León sin descencientes en el 914, Ordoño ocupa el trono del Reino de León, con el nombre de Ordoño II, con lo que se produce la unión de ambos reinos. El reino reapareció esporádicamente más tarde como independiente. Fue gobernado formando parte del Reino de León (hasta 1230), después de la Corona de Castilla y finalmente de España, constituyendo así un título agregado a la corona castellana, cuyos reyes fueron también, por lo tanto, reyes de Galicia.
    Estatuas de reyes que ocuparon los tronos de los reinos que más tarde se convertirían en España, en la plaza de Oriente de Madrid. En primer término se puede observar a Ordoño II de Galicia.
    Hermenegildo Gutierrez

    Hermenegildo Gutiérrez fue una figura destacada de la nobleza galaica del siglo IX.
    Contaba con amplias posesiones en los actuales Galicia y norte de Portugal. Perteneció a la Curia Regia en la corte de Alfonso III el Magno. Ostentó el más alto cargo en la misma: mayordomo real. Fue conde de Oporto y conquistador de Coímbra en el año 876.
    Conquista de Coimbra

    La conquista de Coimbra no fue una mera repoblación. Era un núcleo musulmán consolidado situado a más de cien kilómetros al sur del núcleo cristiano más próximo. Ya no pertenecía a la Gallaecia sino a la Lusitania en poder musulmán. Hermenegildo Gutiérrez tomó la ciudad asaltando sus fortalezas. El emir de Córdoba Muhammad I reaccionó enseguida y sitió a Hermenegildo, que resistió con éxito y perseverancia hasta la llegada de refuerzos.

    Con el antecedente de Vimara Pérez representa a la nobleza galaica que dio un gran impulso a la Reconquista, llegando hasta el Mondego en un momento en que la frontera cristiano-musulmana, en el centro de la península, estaba aún a la altura de Burgos y en el que Zamora no se puede dar como repoblada hasta el año 893. Precisamente con Vimara Pérez ocupa Tuy en 860, y con Peláez Pérez Braga en 868. Esta marcha hacia el sur consolidó un espacio social cristiano en el territorio portucalense. Esta área tan avanzada geográficamente tuvo que organizar su autodefensa mediante una creciente autonomía, germen del futuro Reino de Portugal.
    Leal a Alfonso III el Magno .
    Vimara péres

    Vimara Pérez (Galicia – La Coruña, 873), Vimara Peres (en portugués), fue un caudillo gallego, señor de la guerra cristiano de la segunda mitad del siglo IX del Noroeste de la Península Ibérica. Vasallo del Reino de Asturias, fue enviado al sur del Miño a mando de Alfonso III de Asturias, para retomar el valle del Duero de las manos de los musulmanes, ya que se aseguraba una línea de defensa fundamental para el pequeño reino cristiano de Asturias.

    Vimara fue uno de los responsables de la repoblación del territorio gallego fronterizo entre los rios Miño y Duero. Reconquistó la ciudad de Oporto (Portucale) en el año 868, repoblándola.

    Vimara Pérez fue también el fundador de un pequeño burgo fortificado en las proximidades de Braga, Vimaranis (derivado de su propio nombre), que con el correr de los tiempos, por evolución fonética, se tornó a la moderna Guimarães. Guimarães es curiosamente la ciudad portuguesa enlazada en la mitología nacional portuguesa como “Cuna de Portugal”.
    Casa Vimara Peres [editar]

    * Vimara Peres, conde 868-873
    * Lucídio Vimaranes, hijo del conde, conde a partir de 873
    * Onega Lúcido, la hija de la ex esposa de Diogo Fernandes (recuento de antes de 924)
    * Muniadona Díaz, hija de la esposa anterior, de Mendo Gonçalves I (también conocido bajo el nombre de Hermenegildo Gonçalves)
    * Gonçalo Mendes, hijo del conde previo de 950 a 999), en 997, tomó el título de Dux Magnus Portucalensium
    * Mendo Gonçalves II, hijo del conde de 999 a 1008), se casó con la condesa Tudadomna
    * Alvito Nunes, descendiente colateral Vimar Pérez, conde de 1008 a 1015, se casó con la condesa también Tudadomna
    * Ilduara Mendes, hija de Mendo Gonçalves II y Tudadomna, esposa de Nuno I Alvites, hijo de Alvito Nunes, el conde 1017 a 1028)
    * Nuno Mendes II, conde de 1050 a 1071), derrotado y muerto por el ejército del rey García II de Galicia durante la batalla de Pedroso.

  34. Hola amigos galegos e portugueses!
    Aquí os deixo um articulo de jose chao sobre este tema
    Si Galiza non quere perder a sua lingua e a sua personalidade nacional a soluçao e a ´´ reunificom“com a otra galiza- o Condado Portucalense- hoje portugal,que se separou do resto de Galiza. Aqui os deixo o articulo.
    Para JOSÉ CHÃO DE LAMAS
    Porque é que nós, portugues@s, devemos amar a Galiza.
    JOSÉ CHÃO DE LAMAS. A primeira questão que, como portugueses, devemos colocar-nos, é se é possível, ou se algum dia teria sido possível, a existência de Portugal sem a existência da Galiza. Corria o século XIX, que entrava no seu último quartel, e num jornal do Porto, “O Primeiro de Janeiro”, era entrevistado o grande historiador Alexandre Herculano. O jornalista demorava-se em pormenores do que estava nas origens de Portugal, e o historiador respondeu-lhe: “Portugal é a criação do génio galego”.
    Olhemos os seguintes factos:
    1- Portugal não nasceu no ano 1143. Nasceu quando da queda do império romano no ventre do reino dos suevos, que criaram as condições para que a província da Gallaecia (com forte personalidade diferencial) evoluísse, juntamente com parte da Lusitânia, de modo claramente separado do resto peninsular. É neste reino que se produzem e funcionam os mecanismos que farão que a nossa língua portuguesa nasça do latim e seja estabelecida no noroeste peninsular no velho solar da Gallaecia, no seu esqueleto fundamental no período que vai dos séculos VI ao IX. Aí já temos os primórdios da nossa actual língua e o nosso funcionamento como povo diferenciado na península e no mundo europeu. É suficiente olharmos todas as crónicas muçulmanas peninsulares ou documentos referentes à península, das longínquas terras europeias do Mar do Norte, e ali estamos nós, portugueses, trajados de galegos. Que Portugal então não se chamasse assim, pois chamando-se Galiza era já verdadeiro Portugal, tanto faz. Porventura quando nós, portugueses, ou galegos, ou galego-portugueses, estendíamos o reino para o Sul, não estávamos a fazer Portugal? O portuguesíssimo mosteiro de Lorvão (perto de Coimbra) fundávamo-lo no século IX e assim figura nas actas fundacionais “in finibus Galleciae”.

  35. Olá,
    não é nada justo o que acontece à galiza desde há 500 anos. Os lusófonos adoram ser independentes e diversos, mas sempre ligados pelas suas raízes comuns… A europa tem que despertar e tornar-se sensível a este drama… e os senhores castelhanos nascidos na galiza aprendam a respeitar as raízes do povo histórico que os vem acolhendo (suportando!) e tratando com respeito. Castelhanos APRENDAM A SER CIVILIZADOS E A RESPEITAR QUEM BEM VOS ACOLHE (na GALIZA)! Respeitem o país onde nasceram ou então regressem a castela. Já agora porque sairam de lá? Talvez por serem maus uns para os outros? Pois é, está-vos no sangue, nem para vós (castelhanos) sois bons, raça reles.

    Viva a Galiza lusófona, viva

  36. E abraço aos irmãos Galegos, considero-os como compatriotas apesar de não serem de Portugal, apenas me custaria ver o nome “Portugal” desaparecer após 900 anos de História, ou parte de Portugal ser afastada da sua outra parte a sul (dividir Portugal), até porque estamos numa época em que deve haver união e não desunião. De resto somos todos como irmãos. “Portugal”, tal como “Galiza” são nomes que têm os dois direito a existir. Quer a Galiza um dia seja 100% independente, ou quer se queira juntar a Portugal, há que fomentar a união e nunca a desunião. Pensem em Portugal não como um país estranho que oprime uma suposta “Galiza do Sul” como alguns pensam, mas sim como um país que já foi apenas um Condado Portucalense e parte da Gallaecia, que se expandiu pelo mundo mas que não esqueceu as origens (vejam a nossa Língua e tradições), e que é uma bonita mistura de povos (como toda a Ibéria e até a Galiza). É só por já ter lido algures na Internet alguns Galegos mais radicais dizerem que Portugal deveria ser dividido ao meio e só queriam o Norte de Portugal e que o sul de Mondego é que seria Portugal, que coloquei o meu comentário anterior, para não levarem a palavra “Galiza” acima de “Portugal” ou qualquer outra, ambas têm a sua importância na História, e “Portugal” nasceu em Porto e Gaia dentro da antiga Gallaecia. Mas tenho a certeza que a maioria dos Galegos gostam de Portugal inteiro e não apenas do norte. Abraços e continuação de bom trabalho.

  37. A Galiza não é a Gallaecia. Gallaecia é um nome inventado pelos Romanos que inicialmente chamaram Lusitania a toda a costa e depois dividiram em Lusitania e Gallaecia. Portugal/Portucale é um nome que existe antes da palavra Gallaecia ser criada e que vem da cidade de Portus e Calle/Galle (actuais Porto e Vila Nova de Gaia). Portucale esteve integrado na Gallaecia Romana, mas depois voltou a expandir para sul e conquistou o actual Portugal, e é uma mistura de vários povos e não apenas Callaeci. Galiza não é Gallaecia, e como tal não há qualquer fundamento em ter de se chamar Galiza e meio Portugal. Galiza se quiser pode ser independente, e até podia formar uma união com Portugal mas Galiza é só Galiza, e todo o Portugal, é o Portucale expandido e não é Galiza, apesar de parte dele já ter feito parte de um Reino Galaico. Mas Portugal é Portugal, Galiza é Galiza. Portugal é a evolução de Portucale, e Galiza é outra parte da antiga Gallaecia. São coisas distintas. Não pensem que tem fundamento a transformar parte de Portugal em Galiza, só porque fazia parte da antiga Gallaecia. Tal como Galiza invoca o direito de independência por ser parte da Gallaecia, Portucale devido ao seu nome com milénios (Portus+Calle/Galle) também merece ter o seu nome no país Portugal. Portugal e Galiza são ambos filhos de algo anterior, e Galiza não é mãe de Portugal, é quanto muito irmã. Não confundam.

  38. Excelente blogue. Parabéns e longa vida e ampla divulgação é o que desejo.

    Deparo-me com um problema caricato: estou a tentar, hà jà semanas, de encontrar o livro In “GALIZA PORTUGAL – UMA SÓ NAÇÃO”, ed. Nova Arrancada, Lisboa, Outubro de 1997. Considero-o improtantissimo e gostaria de o ler, mas temnho tido imensa dificuldade em procurà-lo. Jà contactei diversas livrarias e até Feiras do livro. Dizem sem stock.

    Alguém me pode ajudar? Informaçoes que possam ter seriam vitais. Vivo fora de protugal, pelo que é-me muito dificil adquirir esta obra.

    Melhores cumprimentos

  39. Vamos parar com estes lastimosos ismos e construir uma Europa multicultural, multiliguística, sem fronteiras. Chega de fomentar nacionalismos que tanto mal nos fez no passado, nos levando a duas guerras infames e umas tantas outras ditaduras.

  40. Sim eu sei… basta ir à Galiza… mas daí até termos a Galiza em Portugal… seria o mesmo que a Irlanda do Norte voltasse à Irlanda… vai ser dificil!
    Não é que eu não gostasse de ver a tira de alto a baixo no mapa da Peninsula…
    Sim é uma triste história de que todos se querem esquecer!
    Abraço – CM

    PS Tou a tratar de Fu Manchu – just wait

  41. CM, não precisamos de ser nós a dizer aos espanhois. Os galegos estão-lho sempre a dizer!
    Olivença é outra história (triste).
    Abraço

  42. Man, vai lá dizer isso aos espanhois… não vão achar graça à conversa!
    Abraço – CM

    PS E Olivença conheces a história?

  43. caramba, muito bom ter lido isso Arlindo…essa questão Galicia/Portugal é muito interessante, levando em conta que falo um idioma que vem dai…vou dar uma olhada nas musicas …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.