Ago 222007
 
 2007/08/22  Posted by on 2007/08/22 Textos Insanos, Word of Mouth  Add comments

phil.jpgJorravam-lhe da ponta: contos, sátiras, objectos de adoração terrestre.
Odes a uma civilização na vertiginosa recta do declínio.
Era o que se avistava por entre o relógio do tempo, entre a manhã e a tarde.
Lutava ausente de membros, espada ou escudo,
Sem defesa da hostilidade dos dias intermináveis.
Os dias do fim de forca na ideia.
“Se um homem pode mudar deve ser poupado”.
“Pode ter algo a dizer”.
Os cães de fila, danados, electrificavam
Corpos pela cor, religião e credo politico.
Espumavam ideologia que inundava as rusgas,
Listas negras e corredores de morte.
Sepulturas.
O preço da glória, das esperanças e dos sonhos
De uma noite certa, desenhada há cem anos atrás,
Lutando novamente pelo sul.
A postos.
Todos. Estarei lá também.
Brotava lágrimas de calibre 45,
Como se as entranhas igualassem uma fonte romana
Perdida numa nesga de terreno, à beira alta.
Num altar de sacrifício finito orava confuso,
Erguendo a taça receptada do furto ao Santo Graal.
Chorava os mortos da intolerância.
Cantava ao suicídio,
Brindava àqueles que tinham partido sem razão aparente.
Obrigado!

  No Responses to “Um brinde a Ochs”

  1. Sempre coisas boas por aqui…olha só, já recebi o encarte da exposição…showwwwwwww…muito obrigado e ainda autografado…grande abraço…fica bem…

     
  2. Ola! AP
    tambem não te disse que a foto era tua, o que não seria impossivel, pois já vi neste site fotos ainda mais complicadas do que esta, sei de antemão que esta foto não e tua, o que não deixa de ser linda, e ser comentada
    de qualquer forma obrigada pelo comentário oportuno

     
  3. Olá JF! A foto do livro não é minha. Teria que ser fotografo desde pequenino… eh eh!
    Obrigado.

     
  4. olá!
    linda esta foto, como todas as outras, e dpois temos o texto, diga-se de passagem não fica atrás… alem da fotografia, temos um grande escritor e sabedor de tudo o que o tempo levou, mas que agora chega as nossas memórias, de uma forma mais real que outrora.
    força amigo susseço
    JF

     
  5. Boa tarde

    Texto soberbo de uma homenagem sentida… Infelizmente, é omnipresente o tempo dos poderes raivosos que manietam as massas pela cultura do medo…

    Não tenho palavras para as fotografias… estou a ver e a aprender…

     

 Leave a Reply